Tamanho do texto

Decisão do Brasil de impor licenças não automáticas à importação de automóveis criou atrtito com país vizinho

Ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota
Futura Press
Ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota
O chanceler argentino, Héctor Timerman, se reunirá na próxima segunda-feira em Brasília com o ministro Antonio Patriota, antes de viajar para Assunção para participar com a presidente argentina, Cristina Fernández, na Cúpula do Mercosul, informaram nesta sexta-feira fontes oficiais.

A reunião entre Timerman e Patriota "servirá para atualizar e seguir fortalecendo cada uma das áreas que compõem a fluente associação estratégica entre a Argentina e Brasil, assim como para aprofundar as coincidências nos diferentes temas da agenda regional e multilateral", precisou a Chancelaria argentina em comunicado.

O encontro será realizado três semanas depois que os ministros de Indústria dos dois países se reuniram na capital brasileira para solucionar o conflito bilateral suscitado pela decisão do Governo brasileiro de impor licenças não automáticas à importação de automóveis.

O chefe da diplomacia argentina também se reuniu nesta sexta-feira com seu colega uruguaio, Luis Almagro, que viajou nesta quinta-feira a Buenos Aires para participar dos atos de comemoração do 50º aniversário da entrada em vigor do Tratado Antártico.

Os chanceleres "repassaram os múltiplos temas da relação bilateral e abordaram também aspectos da política regional e internacional de interesse comum", assinala o comunicado ministerial, que informa que os ministros já tinham mantido nesta quinta-feira um breve encontro privado com seu o ministro chileno, Alfredo Moreno.

Os três chanceleres se reuniram antes de participar da 34ª Reunião Consultiva do Tratado Antártico, o principal âmbito de decisão em nível internacional sobre o continente, que desde a segunda-feira ocorre em Buenos Aires. Timerman participará na próxima terça-feira em Assunção da 40ª Cúpula do Mercosul, bloco integrado pela Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai, com a Venezuela em processo de adesão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.