Tamanho do texto

Republicano John Boehner teria dito a companheiros de partido que eles foram os vitoriosos na disputa política

A Casa Branca negou nesta segunda-feira que os republicanos sejam os vitoriosos diante do acordo sobre o aumento do teto da dívida pública americana, depois de o porta-voz da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, John Boehner, expressar essa ideia a seus companheiros de partido.

"Não é certo em absoluto", respondeu o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, perguntado em sua entrevista coletiva diária sobre se os republicanos conseguiram impor todas as suas prioridades no acordo para elevar o teto da dívida e os democratas ficaram "sem nada".

Em uma conferência telefônica com congressistas republicanos, Boehner descreveu supostamente o acordo conseguido no domingo como um grande triunfo para os republicanos - que "lutaram" - sobre os democratas - que "cederam" -, informa nesta segunda-feira o "Wall Street Journal".

"Não alcançamos o grande acordo que esperávamos", reconheceu Carney nesta segunda-feira. "Mas isso não significa que não conseguimos conquistas significativas". O porta-voz ressaltou que o projeto, que alçará o teto da dívida em pelo menos US$ 2,1 trilhões adicionais até 2013, "protege os investimentos essenciais" e assegura um "enfoque equilibrado".

O porta-voz também negou que o presidente Barack Obama considere enfraquecido seu poder nas negociações, tal como dizem nesta segunda-feira vários artigos de opinião em jornais americanos. "Não há dúvida que este processo se viu como um desastre. E, em algumas ocasiões, foi um circo", reconheceu. "Enviamos inutilmente a mensagem ao mundo de que os EUA desonrariam suas obrigações, quando isso não iria ocorrer".

"Nada disso é fácil, pois os assuntos são difíceis. Mas conseguimos um consenso em Washington para priorizar o crescimento econômico e a criação de empregos", destacou Carney. Parlamentares republicanos e democratas discutem nesta segunda-feira o acordo de dívida, que deve ser assinado por Obama antes da meia-noite (horário local).