Tamanho do texto

Por Janaki Krishnan MUMBAI, Índia (Reuters) - O Nano, considerado o carro mais barato do mundo, vai chegar às ruas da Índia em julho, quatro meses depois do lançamento formal nesta segunda-feira. A demanda esperada pelo veículo deve superar em larga escala a ofera duante de um preço de cerca de 2 mil dólares (4.500 reais), que vem atraindo legiões de novos compradores.

Centenas de milhares de compradores devem fazer pedido pelo Nano, da Tata Motors, incluindo muitos que antes se limitavam antes a conduzir motos ou a recorrer ao transporte público.

Lançado seis meses depois do previsto, com produção no primeiro ano severamente limitada e sob ameaça de redução de classificação de risco da fabricante, a Tata deve levar mais de um ano para e entregar as primeiras 100 mil unidades.

"Estamos prestes a oferecer uma nova forma de transporte para as pessoas da Índia e, mais tarde, espero que para outros mercados também", afirmou o presidente da Tata Motors, Ratan Tata, em entrevista.

Desde que o Nano foi mostrado pela primeira vez, a principal fábrica de produção do veículo teve que mudar de terreno após protestos, a empresa sofreu seu primeiro prejuízo em sete anos, as ações despencaram 70 por cento e sua nota de crédito foi cortada.

Os primeiros 100 mil proprietários do Nano serão aleatoriamente escolhidos a partir de reservas feitas entre 9 e 25 de abril, e o preço do veículo será protegido, disse Tata. Há mais de um ano, o executivo afirmou que o carro custaria 100 mil rúpias (1.980 dólares) nas lojas.

Uma variante européia será lançada em 2011 e a companhia também está avaliando o mercado norte-americano, já que a situação econômica torna carros baratos mais atraentes, disse Tata.

"Diante da mudança na demanda que temos visto ao redor do mundo, nós sentimos que temos um produto que pode ter considerável interesse como produto de baixo custo no oeste da Europa, leste da Europa, Reino Unido e mesmo Estados Unidos", disse Tata.

Uma vez que os custos com matérias-primas como o aço mudaram consideravelmente desde que o Nano foi proposto pela primeira vez, a companhia decidiu manter o preço das primeiras 100 mil unidades e espera ser lucrativa, disse Tata.

Mas analistas afirmam que a montadora vai provavelmente elvar seus preços em breve, mas o equilíbrio financeiro do projeto deverá demorar cinco a seis anos.

A Tata pode produzir atualmente cerca de 60 mil Nanos por ano até que uma fábrica com capacidade para 250 mil unidades, em Gujarat, começar a operar até o final do ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.