Tamanho do texto

Valores, porém, ainda não atraem profissionais com Ensino Superior

São Paulo ¿ Os professores das escolas públicas brasileiras obtiveram ganhos salariais significativos nos últimos dez anos, mas os salários ainda não são atrativos para profissionais com diploma de Ensino Superior.

A constatação é de uma pesquisa publicada no boletim Na Medida, do Instituto Nacional de Pesquisa Educacional (Inep), autarquia do Ministério da Educação.

De acordo com o estudo "Os salários dos professores da rede pública brasileira são atrativos?", o salário do professor tem pouca ou nenhuma relação direta com o desempenho dos alunos, mas a qualidade do professor é a principal variável para ampliar o aprendizado.

O estudo revela que quanto mais atrativa em termos salariais for uma determinada carreira, maior deve ser o número e a qualificação dos profissionais interessados em segui-la.

A pesquisa mostra pouca variação entre os salários dos professores de uma mesma região, indica que o poder público é o principal empregador e constata que o principal responsável pelo crescimento da remuneração é o tempo de experiência. No entanto, diz o Inep, a experiência não necessariamente implica maior qualidade do professor.

Atratividade - Para definir os parâmetros de atratividade da remuneração do magistério, a pesquisa calculou a diferença entre o salário dos professores da rede pública da educação básica e os rendimentos que eles receberiam se estivessem em três grupos de comparação: demais ocupações do setor público, professores do setor privado e demais ocupações do setor privado.

O resultado do trabalho do Inep demonstra acentuada diferença salarial no que diz respeito aos níveis de escolaridade. Ele aponta que, em média, os professores brasileiros da rede pública com formação de nível superior ganharam menos do que receberiam se tivessem um emprego em qualquer um dos grupos de comparação.

Já os professores com formação de nível médio ganharam mais do que se tivessem um emprego em qualquer um dos grupos de comparação.

Segundo o Educacenso, em 2007, o Brasil contava com 68,4% dos professores com nível superior e 30,7% com nível médio.

O estudo mostra que um professor da rede pública com nível médio recebia, em 1998, quase 10% menos que o docente da escola particular.

Em 2008, o quadro se inverteu e ele ganhava 21% a mais. Já o professor da escola pública com nível superior recebia, em 1998, cerca de 30% a menos que o colega da escola privada. Em 2008, a diferença caiu para apenas 3%, em favor do professor da escola privada.

Leia mais sobre empregos

Siga o iG Empregos no Twitter

Receba as atualizações do iG Empregos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.