Tamanho do texto

Médica ficou isolada e sem função durante um ano

São Paulo ¿ Ex-diretora clínica da Amesp recebe o valor de R$ 220 mil a título de reparação por assédio moral causado à trabalhadora, após a sucessão da Amesp pela Medial Saúde, em 2008.

Quando a Amesp foi comprada pela Medial, muitos funcionários foram demitidos e recontratados como prestadores de serviços terceirizados. Mas como faltava apenas um ano para a diretora clínica se aposentar, ela não poderia ser demitida, por estar no período de estabilidade provisória.

Isolamento - A Medial, então, transferiu a trabalhadora de cargo e, durante um ano, deixou-a em local praticamente isolado e sem função, pagando salário médio de R$ 19 mil mensais.

A trabalhadora entrou com ação judicial e a Amil (que recentemente adquiriu a Medial) indenizou-a em R$ 220 mil. O acordo foi feito em audiência perante a 74ª Vara do Trabalho de São Paulo.

Para o advogado da médica, Marcos Vinicius Poliszezuk, com o acordo, ambas as partes ganharam, já que não terão de esperar durante anos por uma resolução do litígio judiciário, e este caso serve como exemplo para que essa empresa e outras não adotem o mesmo procedimento com seus funcionários.

Leia também:
Veja como escapar do assédio moral

Leia mais sobre empregos

Siga o iG Empregos no Twitter

Receba as atualizações do iG Empregos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.