Tamanho do texto

Para especialistas, profissional deve ser direto e utilizar palavras chave para facilitar a busca

É comum ouvir de recrutadores que para cada vaga o profissional deve elaborar um currículo específico e direcionado. No entanto, com o crescimento das redes sociais como meios de comunicação, é preciso ter um currículo "genérico" que esteja ao alcance de todas as empresas por meio do seu blog pessoal ou de sites especializados, como Linkedin.

Danilo Chamas / Fotomontagem iG sobre SCX
Na internet, profissional deve utilizar palavras com referência à área pretendida
Mas, apesar de "genérico", alguns sites na internet oferece diversas ferramentas que podem tornar o currículo diferenciado. Por isso, caso haja a opção, é mais aconselhável que o profissional crie o seu próprio currículo e faça uma carta de apresentação em vez de apenas preencher os campos com as suas informações.

Como montar

Antes de tudo, é preciso ter em mente que milhares de currículos são expostos todos os dias nas redes sociais. Por isso, é fundamental ser objetivo. A área na qual teve uma maior atuação e o que está buscando são os principais pontos a serem destacados. "As empresas possuem critérios de busca. Se isto não está especificado, ele pode não aparecer no filtro", afirma Juliana Nunes, sócia-gerente da Asap – consultoria de recrutamento de seleção.

Quando o profissional se candidata para uma vaga específica, ele irá elaborar o currículo de acordo com os requisitos exigidos. Mas, na internet, ele está apenas se mostrando ao mercado. Contatos, experiência profissional, graduação e idiomas são os pontos principais.

"Ele deve ressaltar as suas melhores experiências, direcionando para a área que pretende seguir", aconselha Juliana. Projetos que não estão ligados diretamente ou indiretamente ao setor que o profissional almeja não devem ser destacados.

Além disso, as experiências devem ser contadas de forma cíclica: quando assumiu o cargo, qual era seu objetivo, como realizou e qual foi o resultado alcançado. Segundo Fábio Padovani, diretor da companhia de recrutamento 2Get, é nessa parte que devem estar destacadas as principais atribuições, com palavras relacionadas à área.

Isso porque devido à grande quantidade de currículos nas redes sociais, muitos recrutadores utilizam da técnica de busca por palavras para filtrar os candidatos. "É fundamental que o profissional coloque palavras de referência à área pretendida. Isso facilita que as empresas acessem seu currículo", afirma Padovani.

Outra dica é descrever as atribuições de forma didática: qual exatamente foi a sua função e quais os resultados alcançados. O recrutador precisa saber se que forma você participou daquele projeto. Em muitos casos, a partir disso, ele já consegue avaliar algumas competências do profissional.

Segundo Juliana, o perfil pessoal será avaliado no momento da entrevista. Mas o profissional pode ressaltar algumas características que considere importante para qualquer empresa.

É também fundamental refletir sobre tudo que já fez e entender o que pode ser considerado um diferencial. Muitas vezes, o profissional pode ter realizado algo que não esteja diretamente ligado à área pretendida, mas que tenha o levado a desenvolver habilidades que sejam importantes para aquele setor. "Preste bastante atenção em toda sua carreira e faça uma reflexão daquilo que pode chamar atenção das empresas da sua área", aconselha Juliana.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.