Tamanho do texto

Empresas aderem à prática que gera economia para ambas as partes

Não são apenas os profissionais que estão cientes dos benefícios de se trabalhar em casa, como economia de tempo por conta do trânsito e praticidade. As empresas também estão contabilizando ganhos como o conceito de home office.

A Ticket, do setor de alimentação-convênio, é uma delas. Após cinco anos do início do processo de implantação do conceito, que levou toda a equipe comercial para casa, foi gerada uma economia de R$ 3,5 milhões. Além disso, o ganho em produtividade também foi expressivo: crescimento de 40% no volume de vendas novas e incremento de 76% na receita proveniente dessas vendas.

Segundo a companhia, antes da implantação do sistema, em média, cada colaborador gastava 30% de seu tempo para resolver questões administrativas e apenas 5% para tornar o cliente mais rentável. Hoje, esses números variaram para 15% e 35%, respectivamente.

"O colaborador trabalha mais motivado, com ganho em qualidade de vida, flexibilidade de horário e proximidade da família. Além disso, tem mais mobilidade, consegue planejar melhor suas visitas e dedicar mais energia a cada cliente", afirma Dalva Braga, superintendente de vendas da Ticket.

Lar doce lar - E a prática só tende a crescer: a Sociedade Brasileira de Teletrabalho (Sobratt) estima que no Brasil, o home office deve crescer 10% ao ano. Para a jornalista Marina Sell Brik, autora do site Go Home , especializado no conceito, as pessoas estão começando a encarar o trabalho remoto como uma alternativa legítima, e que deve ser vista com profissionalismo.

Com o acesso de cada vez mais pessoas a tecnologias como computadores e smartphones, o home office está criando raízes no Brasil e tornando-se mais comum. O que vale hoje é a otimização do tempo. E sabendo administrá-lo, o home office é um grande aliado, afirma Marina.

Poréns - Apesar de bastante difundido e com perspectivas de crescimento, o conceito ainda enfrenta algumas barreiras trabalhistas e principalmente culturais. Como a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) ainda não regulamentou a questão, as companhias temem serem acionadas judicialmente por seus ex-empregados que trabalharam nesse esquema.

Há ainda um projeto de lei na Câmara dos Deputados (PL 102/07) que busca disciplinar o trabalho remoto no Brasil, mas, por enquanto, ainda não entrou em pauta. Trabalhar em casa, contudo, requer alguns cuidados e uma preparação especial.

Marina afirma que primeiro, é preciso avaliar se o profissional tem o perfil. É preciso ter disciplina, não procrastinar as tarefas e, acima de tudo, encarar o escritório em casa como ambiente de trabalho mesmo.

Contar com a colaboração da família e das pessoas que trabalham em casa também é fundamental, para que não haja interrupção no expediente. Além disso, vale também ressaltar que é importante tirar o pijama e colocar uma roupa (pode ser mais casual) para trabalhar. Você encara tudo de forma mais profissional, conclui a jornalista.

Confira as dez dicas abaixo sobre como render melhor em casa, de acordo com a Ticket:

Dicas

- Prepare-se para o trabalho vestindo-se de maneira adequada

- Mantenha horários regulares

- Disciplina, autonomia, automotivação e confiança são indispensáveis

- Estimule o seu gestor a desenvolver novos ritos e encontros vivenciais

- Crie uma área privativa que funcione como escritório, separando o "morador" do "profissional"

- Tenha uma linha telefônica exclusiva, sem vínculo com a de sua casa

- Eventualmente, trabalhe em um lugar neutro, como um café ou um hotel

- Permita-se o tempo devido para definir o que funciona melhor para você

- Converse com a família e amigos e avise-os de que você não está disponível durante o dia

- Evite ou limite atividades não relacionadas com o trabalho durante seu "expediente"


Leia também:
- Especial: Home Office

Leia mais sobre empregos

Siga o iG Empregos no Twitter

Receba as atualizações do iG Empregos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.