Tamanho do texto

Documentário "Top Models" conta as histórias de sucesso e as dificuldades de uma profissão que parece um conto de fadas

A carreira de modelo aparenta um mundo de glamour que atrai muitos jovens. O documentário "Top Models – Um Conto de Fadas Brasileiro", que estreia nesta sexta-feira (17) conta a história de modelos de sucesso e outras que querem viver esse sonho. "Cada vez mais, as brasileiras estão fazendo sucesso. As meninas que estão em casa, sempre ouvem alguma história que parece mesmo um conto de fadas", afirma no filme Anderson Baumgartner, da agência Way Modelo.

Divulgação
Cena do filme "Top Models – Um Conto de Fadas Brasileiro", que estreia nesta sexta-feira (17)
Como em todas as profissões, entretanto, há dificuldades "corporativas", como quando um cliente não aprova a aparência da modelo ou sua técnica de se comportar. "O mercado da moda é muito subjetivo. As empresas e agentes podem ou não gostar de você apenas por afinidade", afirma Margareth Libardi, diretora do site Assunto de Modelo e autora do livro "Profissão de Modelo".

Além disso, uma modelo deve ter em mente que irá ficar longe da família e dos amigos. Segundo Dinho Batista, assessor de top models da agência Elite, em qualquer área que ela for atuar, pode ser que a profissional tenha que viajar ou até mesmo mudar de cidade. E, muitas vezes, isso acaba atingindo emocionalmente a modelo.

Há também – e esses podem ser mais complicados – os problemas em relação à sua imagem: corpo, cabelo e pele. "Para ser uma top model é preciso cuidar da pele, do corpo, ser gentil com as pessoas, educada, estudada e conhecer revistas e estilistas", destaca no filme Cyril Brulé, da agência Viva na França.

"O conhecimento da modelo é importante, mas a aparência envolve tudo", destaca Margareth. Por isso, segundo ela, muitas vezes as modelos têm problemas psicológicos, pois sabem que caso a imagem não estiver boa, dificilmente conseguirão algum trabalho. "Começam a entrar em depressão, o que só dificulta a aprovação nos testes."

Mercado

O lado mais conhecido profissão está nos desfiles de moda. Mas uma modelo também pode atuar em campanhas publicitárias, fotos editoriais, dublês de atrizes ou atores, feiras, eventos, vinhetas de programas, figurantes de videoclipes, showrooms de lojas e em festas. "O glamour está nas passarelas, mas a modelo tem diversas opções de trabalho", destaca Margareth.

Batista ressalta que há dois tipos de modelos: a fashion e a comercial. A primeira é a que vai desfilar e atuar apenas no mercado da moda. A segunda faz campanhas publicitárias, fotos e comerciais.

Nesta edição do São Paulo Fashion Week (SPFW), que acontece nesta semana, cerca de 350 modelos estão desfilando, segundo dados da organização do evento.

Formação

Mesmo sendo uma carreira que depende muita da aparência, o conteúdo também é fundamental. Por isso, apesar de não existir uma formação específica, há diversos cursos preparatórios e de especialização. "Aulas de maquiagem, etiqueta, alimentação e como se vestir. Tudo isso influencia na hora de ser contratada. Seja na passarela ou para trabalhar em feiras e eventos", explica Margareth.

Além da passarela, modelos podem atuar em eventos, comerciais, dublês e fotos
Danilo Chamas / Fotomontagem iG sobre SCX
Além da passarela, modelos podem atuar em eventos, comerciais, dublês e fotos
Como na maioria das profissões, também há um registro profissional de trabalho, emitido pela Delegacia Regional de Trabalho (DRT) e representado pelo Sindicato de Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversão (Sated). A exigência depende muito do trabalho, mas Margareth destaca que no São Paulo Fashion Week, por exemplo, todas as modelos devem ser registradas.

De acordo com o Sated, para se registrar a modelo deve encaminhar toda sua documentação, incluindo seu portfólio, cursos na área regulamentados pelo sindicato e comprovante de conclusão do Ensino Médio. O material será analisado pelo Conselho de Capacitação Profissional, que poderá aprovar ou não o registro.

Perfil

A principal característica para essa profissão, segundo Margareth, é a persistência. "Principalmente para quem está começando, é fundamental que não desista na primeira reprovação. No início, é comum ouvir muito 'não'."

Ter disciplina, atitude, educação, facilidade de relacionamento e ser uma pessoa equilibrada também são fatores que influenciam no sucesso da carreira.

Margareth ainda lembra que a saúde, tanto psicológica quando física, é essencial. "Pode surgir um trabalho para participar de uma festa um dia antes de uma sessão de fotos de manhã. Pode ser exaustivo e uma modelo nunca pode parecer que está cansada." Além disso, é desgastante emocionalmente. "Você nunca está segura. É como se tivesse que procurar emprego todos os dias." Há muita instabilidade financeira, que acaba influenciando no emocional.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.