Tamanho do texto

Veja quais são os profissionais mais requisitados e bem pagos

ANO ELEITORAL
¿ Ano eleitoral abre oportunidades para marketeiros e advogados
¿ 
Profissionais devem ter cautela ao atuar para políticos malvistos
¿ Concursos públicos não são suspensos em ano eleitoral

Foi dada a largada para a corrida eleitoral.
Neste ano, além do presidente da República, serão escolhidos deputados (estaduais e federais) e
senadores. Para que os candidatos consigam se destacar
aos olhos da população, uma legião de profissionais é convocada: marketeiros políticos, jornalistas e advogados são algumas das carreiras em alta nesta época do ano.

A safra é especialmente boa para quem atua na área de marketing político. Em São Paulo, por exemplo, grandes nomes como Duda Mendonça, Nizan Guanaes e Fernando Barros se lançaram em disputa pelas contas milionárias de publicidade do governo do Estado.

Dependendo da negociação com o cliente, o marketeiro político chega a levar 40% do orçamento destinado a campanhas, explica o consultor em marketing político Sullyvan Andrade.

Táticas - O eleitor é um mercado a ser conquistado, por isso, as campanhas políticas têm de ser estratégicas, explica Ivan Santo Barbosa, coordenador do curso de marketing político da Universidade de São Paulo (USP).

Claro que há pessoas que votam por ideologia, mas são minoria. As estratégias de campanha ¿ como slogans, palavras de ordem, construção de uma imagem pública aceitável ¿ visam conquistar essa grande massa de eleitores, ensina.

Para tanto, são recrutados profissionais que tenham habilidade com publicidade, propaganda eleitoral e que dominam novos suportes como internet, especialmente na era pós-Obama, quando a rede foi uma das maiores mobilizadoras do voto nos Estados Unidos.

Em São Paulo, por exemplo, com a proibição de outdoors, a comunicação precisa ser mais criativa, explica o professor. Ele acrescenta que uma repaginada no visual também é necessária. Nesse caso, consultores de moda também terão a sua oportunidade.

Retórica - Mas de nada adianta a forma se o conteúdo não for interessante. Para ajudar nesta seara, os próprios marketeiros políticos dão dicas. Segundo o professor da USP, o objetivo é polir o discurso e adequá-lo ao público que recebe o candidato.

Quem também vê o movimento aumentar consideravelmente nessa época são os advogados especialistas em direito eleitoral. Eles ajudam desde o desembaraço da candidatura que tenha sido impugnada por algum motivo ao cuidado com as contas da campanha.

Direitos - Alberto Rollo, advogado especialista neste ramo e presidente do Instituto de Direito Político Eleitoral e Administrativo (Idipe), comenta que esta é uma das poucas áreas onde ainda há espaço para o tão saturado mercado de advocacia.

O mais importante é a relação de confiança que se estabelece. Depois da eleição, alguns políticos também nos procuram para resolver problemas administrativos, como uma ação civil pública movida contra eles, por exemplo, explica.

Apesar de até existir um tribunal específico para cuidar desta área, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o direito eleitoral não é ensinado nas faculdades, segundo Rollo. Contudo, o advogado comenta que a matéria começou a ser exigida nas provas para ingresso no Ministério Público, Magistratura e Ordem dos Advogados do Brasil.

Leia também:
- Profissionais devem ter cautela ao atuarem para políticos malvistos
- Concursos públicos não são suspensos em ano eleitoral

Siga o iG Empregos no Twitter

Receba as atualizações do iG Empregos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.