Brasil Econômico

Brasil Econômico

undefined
iStock
Se quer maximizar suas habilidades, precisa de ambiente que catalise seus potenciais (e que ajude na motivação)

Nenhum profissional está livre de alguns acontecimentos e sentimentos acerca do trabalho. Quando algum projeto falha, por exemplo, pode ser tentador – para qualquer um - culpar a falta de força de vontade de colegas e funcionários, ou apontar a escassez de talento de fulano ou ciclano (e até de você mesmo). Na mesma medida, é fácil atribuir o sucesso de algo ao trabalho árduo, ao esforço e à garra. Certo?

Para ficar claro: sim, essas coisas realmente importam, elas causam, sim, influência na hora de atingir metas.  Contudo, esse artigo vem discutir como é interessante quando paramos para avaliar o quanto o comportamento humano tem sido transformado ao longo do tempo. Nessa análise, você poderá descobrir, por exemplo, que a motivação e até mesmo o talento são, frequentemente, supervalorizados. Acredite: em muitos casos, o meio ambiente pode importar mais.

Quem defende essa tese é o escritor, empreendedor e especialista no comportamento, James Clear, ao site Entrepreneur. Segundo ele, alguns exemplos podem ser traçados para exemplificar como o ambiente pode influenciar profissionais na hora de criar, produzir e entregar metas. Veja o depoimento de Clear:

A "forma" do comportamento humano

No livro vencedor de prêmios importantes “Guns, Germs, and Steel”, o cientista Jared Diamonds aponta um fato óbvio: diferentes continentes possuem diferentes formas. A princípio, isso parece não ter nenhuma importância, mas o autor vai mostrando-nos como isso tem impacto profundo no comportamento humano.

A agricultura, por exemplo, foi bastante influenciada pela distribuição de terra nos continentes. Já pensou nisso? Por que, afinal, a agropecuária foi desenvolvida 2 ou 3 vezes mais rapidamente na Europa em comparação com a América, por exemplo? Um dos motivos, defendido no livro, é essa “forma” dos continentes, que tende a ser traçada no sentido norte-sul na América e na África, e leste-oeste em outros como Europa, Oriente Médio e Ásia.

Assim, quando a agricultura começou a se espalhar pelo mundo, os fazendeiros tiveram mais facilidade de expandir-se nas rotas leste-oeste do que no sentido norte-sul. Isso porque as localizações em mesma latitude possuem, geralmente, climas similares, mesma intensidade de luz solar e chuvas etc. Isso, portanto, influenciou no comportamento humano ao longo de séculos e séculos – afinal, as mesmas plantações não sobrevivem em climas tão diversos (para isso, foi necessária a domesticação de algumas plantas).

As diferenças ambientais, assim, impactaram na produção mais rápida pela Ásia e Europa – o que também influenciou no crescimento da população nessas áreas. Com mais pessoas, as culturas europeia e asiática foram capazes de construir armamentos mais fortes e desenvolver novas tecnologias... E assim por diante.

As mudanças começam pequenas – uma semente que se espalha mais facilmente, uma população que cresce mais rápido – mas, acabam compondo diferenças substanciais ao longo do tempo. É claro que existem outros fatores para esse fenômeno, mas é interessante pensar até que ponto a distribuição de terras pode ter causado influências nas culturas dos países e continentes.

Meio ambiente: a mão invisível

O meio ambiente é como uma “mão invisível” para o comportamento humano. Nós tendemos a acreditar que nossos hábitos são produtos de nossa motivação, talento e esforço. Certamente, essas qualidades importam. Mas o surpreendente é que em um longo espaço de tempo, suas características pessoas tendem a ser sobrepostas pelo ambiente em que você vive.

Quer ver? Então, imagine você tentando cultivar tomates no inverno do Canadá. Você pode até ser o fazendeiro mais talentoso de todo o país, de todo o mundo, mas isso não fará diferença. Neve é um substituto péssimo para a terra. Veja, não existem evidências de que os agricultores europeus e asiáticos tivessem sido muito mais motivação que os outros de todo o mundo. Porém, foram capazes de esparramar sua agricultura 2 ou 3 vezes mais rápido que seus colegas.

LEIA MAIS: Budismo e trabalho: veja relato de empresário que descobriu a pausa como aliada

Dessa forma, se você deseja maximizar suas habilidades, então você precisará trabalhar em um ambiente que permita e que catalise seus potenciais (e que, inclusive, ajude em sua motivação!). Use essas referências mais grandiosas para entender por que e como você pode melhorar seu trabalho, como e por que pode alcançar ou não suas metas.

Como ter um ambiente melhor (e mais motivador)

Há muitas maneiras de construir um ambiente que promova seu sucesso. Aqui, estão algumas estratégias.

1.  Faça boas decisões

Se e quando possível, planeje ambientes que permitam decisões mais inteligentes. Por exemplo, se você compra pratos menores, isso te ajudará a comer menos e perder peso. E isso é verdade. Uma pesquisa da Cornell University afirmou que as pessoas comem 22% menos quando escolhem pratos menores (de 10 polegadas ao invés de 12). Nessa mesma linha de pensamento, você pode escolher bloquear redes sociais ou outros sites que te fazem procrastinar – a fim de ajudar o seu rendimento.

2.  Deixe fluir

Há alguns anos, a PetSmart fez uma campanha em que lançava o pedido de doação para “animais sem lar” depois de todas as compras feitas com cartão de crédito. Com essa ação simples, a instituição conseguiu nada menos que US$40 milhões em um ano.

Essa estratégia pode ser usada por qualquer profissional ao criar um ambiente onde bons hábitos possam acontecer de maneira natural. Por exemplo: se você deseja frequentar a academia, ficará muito mais motivado se ela estiver entre sua casa e o trabalho (e não em uma localização distante, na sua contramão).

E isso serve para todos as outras ações na sua vida, tanto profissionais quanto pessoais. Planeje estratégias que te permitam ser eficiente somente “seguindo o fluxo”, sem sofrimentos.

3.  Elimine más influências

Do mesmo modo que fábricas japonesas de televisão rearranjaram seus espaços a fim de eliminar ações desnecessárias (que ocupavam tempo e esforço dos funcionários), você também deve fazer um rearranjo de relacionamentos e espaços na vida profissional e pessoal. Reduza influências negativas no seu ambiente! Um exemplo prático? Evite comidas gordurosas, pelo menos evite deixá-las em lugares muito visíveis. E isso serve para outras decisões maiores também, claro. 

Motivação vem depois

Já percebeu como nós somos rápidos na hora de culpar nosso ambiente quando as coisas começam a dar errado: se você perde o trabalho, a culpa é da economia. Se você perde um jogo, a culpa é do juiz. Se você chega tarde ao trabalho, é porque o trânsito é insano.

Quando nós perdemos, porém, ignoramos totalmente a influência do ambiente. Se você é contratado, é porque você é talentoso e adorável. Se você ganha um jogo, é porque joga melhor que os outros. Se você chega cedo para um encontro, é porque sabe se organizar.

LEIA MAISVeja dicas para você incentivar e motivar seus funcionários

É importante lembrar que o meio ambiente orienta nossos bons comportamentos tanto quanto os maus comportamentos. Pessoas que parecem manter bons hábitos são mais frequentemente beneficiadas pelo ambiente que, por sua vez, tornou aqueles comportamentos mais fáceis. E vice-versa.

A vida é um jogo em que, para garantir melhores resultados durante um longo período de tempo, a melhor abordagem é utilizar seu meio ambiente ao seu favor.

Assim, o que muitas vezes pode parecer falta de força de vontade ou motivação é, na verdade, um ambiente desmotivador.  Saiba unir os dois e, com equilíbrio, atingir seus objetivos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários