Tamanho do texto

Levantamento de site de empregos mostra que vagas para nível médio teve 1% de aumento; ensino superior caiu 8%

O cenário de emprego no Estado de São Paulo está melhor para quem tem nível médio. Pelo menos é o que indica um levantamento feito pelo “Vagas.com” feito a pedido do iG , que mostra um aumento de 1% no número de anúncios do site na comparação dos primeiros semestres de 2014 e 2015.

'Vagas.com
Thinkstock/Getty Images
'Vagas.com" registrou aumento de candidaturas em todos os níveis de instrução

Ainda que praticamente estável, este foi o único recorte de escolaridade com saldo positivo, com os anúncios saltando de 9.819 nos seis primeiros meses do ano passado para 9.934 no mesmo período deste ano. Todos os outros níveis tiveram queda, o que fechou o saldo geral negativamente em 6%. “Se a gente considerar o cenário de crise da economia, essa manutenção das vagas para o Ensino Médio é positiva”, afirma Rafael Urbano, especialista em inteligência de negócios do site de empregos.

No sentido inverso de manutenção de vagas está a parcela do Ensino Superior. Na comparação dos primeiros semestres de 2014 e 2015, os anúncios de vagas para os candidatos graduados caíram 8%. Se for levado em conta o peso que esse recorte representa no total de vagas, ele foi o principal ator na baixa geral da oferta de vagas.

De acordo com o professor de Economia da Unicamp Cláudio Salvadori Dedecca, o cenário menos desfavorável para os candidatos de nível médio é razoável em um momento de crise do emprego. Especialista em economia social e do trabalho, ele exemplificou o movimento com os movimentos recentes no setor de engenharia civil.

“A redução da busca por trabalhadores mais qualificados e a manutenção [da oferta de vagas] para aqueles com nível médio é natural em tempos que não são criados novos projetos. Os trabalhos manuais demoram mais para ser afetados”, explica.

Empregos dimunuíram, procura aumentou

Esses dados se encaixam em um universo geral de aumento na procura em todos os níveis. Os candidatos com formação superior fizeram 46% mais aplicações para vagas de emprego. Já os que almejam as vagas de ensino médio aumentaram o volume de inscrições ainda mais, em 85%.

Esse panorama pode ser entendido pelo aumento gradativo do desemprego, que teve em junho a quinta alta mensal seguida, passando de 12,9% em maio para 13,2%, de acordo com o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

A tendência se mantém para os próximos meses, podendo ser intensificada em função de muitos trabalhadores demitidos pararem de receber o seguro-desemprego. “O seguro só posterga o impacto no índice de desemprego”, completa Dedecca. 

Veja também: Tecnologias para tirar seu negócio da crise


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.