Tamanho do texto

Apenas 34% dos profissionais demonstram ter algum receio em ficar desempregado nos próximos 12 meses

43% dos entrevistados acreditam que terão aumento salarial no próximo ano
Camila Domingues/Palácio Piratini/Divulgação
43% dos entrevistados acreditam que terão aumento salarial no próximo ano

Os profissionais brasileiros não estão com medo de perder o emprego em 2015, mas esperam estar em outro trabalho no ano que vem. A conclusão é de um levantamento realizado pelo site de carreiras Love Mondays.

Segundo a pesquisa realizado com 800 pessoas em dezembro, 50% dos profissionais afirmam ter a intenção de mudar de emprego no próximo ano e apenas 34% demonstram receio em ficar desempregado nos próximos 12 meses.  

O otimismo também aparece em outras frentes:  43% dos entrevistados acreditam que terão aumento salarial no próximo ano, 48% confiam na expansão do seu setor em 2015, enquanto 26,3% não acreditam nessa possibilidade e 69,7% creem que a empregabilidade se manterá estável ou que as empresas deverão contratar no próximo ano. 

Leia mais:  Jovens são os que mais admiram quem compra roupas caras e automóveis de luxo

“Parece que o pessimismo retratado diariamente no noticiário econômico ainda está distante do ambiente de trabalho, o que pode ser bom para as empresas, pois quanto mais motivação e planos para futuro tem um profissional, mais ele se dedica ao trabalho e assim contribui para a evolução dos negócios de sua empresa”, afirmou, em nota, Luciana Caletti, CEO da Love Mondays.

Profissionais querem investir no futuro

Segundo a pesquisa, cerca de 75% dos profissionais dizem que pretendem investir na continuidade de sua formação em 2015. Destes, 47% vão investir em curso de língua estrangeira, 40% querem fazer uma pós-graduação ou MBA, 32% apostam em cursos de desenvolvimento pessoal (liderança, gestão de pessoas), e 13% focarão em cursos técnicos

Além disso, 40% dos trabalhadores pretendem realizar aplicações financeiras no próximo ano, como aquisição de imóvel (23%) e a compra de um automóvel (17%).

“Os profissionais mostram que têm uma visão de médio e longo prazo. Imóveis e aplicações financeiras demandam um planejamento financeiro mais estruturado e demonstraram que os profissionais estão planejando o futuro”, explicou Luciana.

MAIS: Veja 8 perguntas que você deve se fazer antes de aceitar um novo emprego