Tamanho do texto

Love Mondays permite a usuários postarem os prós e contras, conselhos para a presidência e recomendações para a companhia na qual trabalham ou já trabalharam

Você já aceitou uma proposta de emprego que parecia ótima e, quando começou a trabalhar, viu que o clima da empresa era péssimo e o ambiente pesado? Porém, a decisão já estava tomada e não tinha como voltar atrás? Foi por já terem passado por essa experiência que a gaúcha Luciana Caletti e os irlandeses Dave Curran e Shane O´Grady se juntaram para criar a Love Mondays – uma plataforma digital brasileira em que funcionários ou ex-funcionários fazem avaliações anônimas sobre as empresas.

“A gente viu que a fonte de informação mais útil para tomar uma decisão de carreira é quando você conhece alguém que trabalha na empresa e pergunta 'E aí, fulano, como é a cultura, salário, qualidade de vida dentro da empresa?'”, comenta Luciana ao iG .

Pensando nisso, o trio decidiu que seria ainda melhor se o profissional encontrasse em um único lugar não apenas uma opinião sobre a empresa em que vai trabalhar, mas sim centenas. “Essa mudança de carreira é um investimento não só financeiro e logístico, mas também emocional”, diz ela.

Veja: 8 perguntas que você deve se fazer antes de aceitar um novo emprego

Na plataforma, é possível ver os prós, contras, conselhos para presidência e recomendações deixados por quem está na companhia ou já passou por ela. O site, que foi lançado em versão teste no Brasil em junho do ano passado, já conta com milhares de avaliações e o número de acessos cresce 40% ao mês.

Luciana, Dave e Shane, que se conheceram enquanto a brasileira fazia um MBA na Inglaterra, optaram por montar a empresa no Brasil pela baixa inovação no setor de RH e a taxa de desemprego estar historicamente baixa. “O que isso sugere? A opção de onde trabalhar. A gente sabe que nas gerações anteriores, se você tinha um emprego estável e que pagava um salário bom, dava graças a Deus e estava satisfeito. Hoje, o profissional qualificado e com um pouco de experiência já tem escolha de onde ele quer trabalhar”, observa.

A gaúcha Luciana Caletti e os irlandeses Dave Curran (esq.) e Shane O´Grady (dir.), fundadores da Love Mondays
Divulgação
A gaúcha Luciana Caletti e os irlandeses Dave Curran (esq.) e Shane O´Grady (dir.), fundadores da Love Mondays

Anonimato e moderação

Para garantir que as informações postadas na Love Mondays sejam verdadeiras, o usuário só pode postar uma avaliação depois de ter sua conta de e-mail, Facebook ou LinkedIn verificadas. Desta maneira, a equipe tem acesso ao histórico profissional que a pessoa declarou nestas redes e sabem que ela realmente trabalha ou já passou por aquela companhia.

Além disso, os moderadores leem todas as avaliações feitas antes de permitirem a publicação, para garantir que as regras do site sejam respeitadas, como por exemplo, não falar mal de uma pessoa específica da empresa ou acusar a organização de atividades ilegais.

“A gente tem também o mecanismo de os próprios usuários reportarem se uma avaliação está inapropriada. Quando ele faz isso, a gente pede o motivo de a pessoa ter achado inapropriado, faz a avaliação e dá o feedback, falando que a postagem vai ser mantida ou vai ser deletada”, conta Luciana.

Em todo o processo, o anonimato do usuário é garantido. As únicas informações visíveis ao público são o cargo de quem deixou a avaliação e sua cidade. Se a pessoa tem um cargo muito específico, como gerente financeiro, a equipe de moderação altera para apenas gerente, não deixando brechas para que a empresa descubra quem fez a avaliação e o profissional sofra algum tipo de retaliação.

Apesar disso, não há como saber com 100% de certeza se a avaliação foi feita honestamente ou com a intenção de denigrir ou levantar a imagem da empresa. “Se a avaliação está de acordo com as regras, ela continua lá. Às vezes, a gente recebe avaliações positivas de gerentes de comunicação, diretores de RH, ou fundador da empresa, mas, na verdade, essas pessoas também são funcionários, então por que elas não teriam direito? É a opinião delas e é o direito delas se expressar”, observa Luciana.

Empresas estão interessadas nas informações

Ao contrário do que possa se imaginar, Luciana diz que nenhuma companhia entrou em contato com a Love Mondays pedindo para alguma avaliação negativa ser retirada do ar. “Muita empresa quer usar a Love Mondays como uma fonte de informação. Hoje, eles sabem que a transparência trazida pelas redes sociais é uma tendência que não vai voltar atrás e estão entrando em contato querendo saber como elas podem analisar esses dados”, diz.

O retorno positivo tanto por parte dos usuários quanto das empresas é motivo de comemoração, mas também de muito trabalho para a equipe de seis funcionários da empresa. “A gente não está dando conta, cada um trabalha por dois aqui. A qualidade de vida da Love Mondays não está muito boa”, brinca Luciana.