Tamanho do texto

A secretária-executiva da Câmara de Comércio Exterior (Camex), Lytha Spíndola, disse hoje que não espera retaliações dos Estados Unidos ao Brasil em resposta às medidas, adotadas pelo governo brasileiro, contra a manutenção dos subsídios aos produtores de algodão norte-americanos. Ela lembrou que os EUA são os que mais questionam e o que mais são questionados na Organização Mundial do Comércio (OMC) e, por isso, têm interesse em respeitar as decisões dos órgãos de controvérsia da OMC.

O diretor do Departamento Econômico do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Carlos Cozendey, disse que espera que as empresas americanas também estejam do lado do Brasil, ao fazer cumprir uma decisão da OMC, e pressionem o governo do EUA a retirar os subsídios ao algodão. A lista de hoje de retaliação do governo brasileiro ficará em consulta pública por 20 dias e só depois serão definidos os produtos que vão compor a relação de retaliação.

Cozendey disse que a antecipação da publicação da lista, que estava prevista para o dia 23 de março, ocorreu porque houve consenso entre os ministros da Camex sobre os itens que serão colocados em consulta pública. Ele admitiu, no entanto, que a decisão de acelerar a publicação da lista se deve ao fato de o Brasil não ter recebido até o momento nenhuma proposta palpável de negociação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.