Tamanho do texto

Preocupadas com o fraco desempenho da balança comercial, autoridades do governo brasileiro elevam o tom das reclamações diretas contra a China

selo

Preocupadas com o fraco desempenho da balança comercial, autoridades do governo brasileiro elevam o tom das reclamações diretas contra a China. O secretário de Comércio Exterior, Welber Barral, disse ontem que o yuan desvalorizado "distorce" o comércio global. "A China está afetando todo o sistema multilateral de comércio", disse Barral, após se reunir com empresários na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). "O câmbio chinês distorce todos os preços."

Segundo o secretário, os efeitos do yuan desvalorizado são ainda mais fortes para o Brasil, porque o País vende commodities para a China, o que atrai muitos dólares. A posição oficial do governo brasileiro é que o assunto deve ser discutido em fóruns globais, como a reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI) este fim de semana, em Washington, e o encontro do G-20 (grupo das 20 maiores economias do mundo), em Seul, na Coreia do Sul, em novembro.

Técnicos do Ministério do Desenvolvimento, no entanto, avaliam "com atenção" uma lei recém-aprovada pela Câmara dos Deputados dos Estados Unidos. Conforme a legislação, que ainda tem que ser votada no Senado, os EUA elevariam as tarifas de importação para compensar o yuan desvalorizado. "É uma sinalização política importante dos americanos e estamos avaliando com atenção", disse Barral. Ele ressalta que ainda não está claro se a lei cumpre as normas da Organização Mundial de Comércio (OMC) ou se, no futuro, poderia ser utilizada contra o Brasil. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.