Tamanho do texto

SÃO PAULO - O presidente americano, George W. Bush, iria dizer aos delegados republicanos que o candidato do partido à Casa Branca, John McCain, está no caminho certo em questões como a guerra no Iraque, e está pronto para liderar o país, de acordo com trechos de seu discurso entregues à imprensa. A vida de John McCain o preparou para tomar essas decisões. Está pronto para liderar esta nação.

O presidente americano iria discursar na noite de ontem na convenção republicana por meio de teleconferência - o discurso não havia começado até o final desta edição. Segundo o partido, a mensagem de Bush não passaria de seis minutos.

Apesar da baixa popularidade do presidente, ele é bem visto pelo eleitorado mais conservador, que tradicionalmente vota pelos republicanos. Seu apoio é considerado vital para que McCain, visto como liberal demais por essa parcela do eleitorado, consiga ganhar mais espaço.

Em 2000, o próprio Bush derrotou McCain na disputa pela candidatura republicana à Presidência, antes de enfrentar o democrata Al Gore.

O presidente pretendia também ressaltar temas de segurança nacional. Vivemos em um mundo perigoso e precisamos de um presidente que entenda as lições de 11 de setembro de 2001: para proteger os EUA, precisamos permanecer na ofensiva, evitar ataques antes que eles aconteçam e não esperar pelo próximo. O homem que precisamos é John McCain , diria Bush
John é um homem independente que pensa por si. Ele não tem medo de dizer algo quando discorda de alguém. Não importa o assunto, este homem é honesto e fala diretamente com o coração , dizia o discurso do presidente.

A princípio, Bush faria seu discurso ao vivo na convenção, mas precisará viajar às pressas para a Louisiana depois da passagem do furacão Gustav pelo Estado, três anos após a devastação do Katrina - quando ele foi duramente criticado por sua resposta lenta para ajudar as vítimas da tragédia em Nova Orleans. Agradeço aos governadores do Alabama, Louisiana, Mississippi e Texas por sua resposta eficiente e coordenação sem falhas com o governo federal.

(Valor Econômico, com agências internacionais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.