Tamanho do texto

Segundo pesquisa da Fecomércio, famílias brasileiras pagam R$ 7,77 bi em impostos ao mês e desembolsam R$ 7,5 bi com vestuário

Brasileiros gastam mais com impostos do que com vestuário
AE
Brasileiros gastam mais com impostos do que com vestuário
Os brasileiros gastam mais com o pagamento de  impostos do que com a compra de vestuário, segundo uma pesquisa realizada pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio), com base nos últimos números divulgados pela Pesquisa de Orçamento Familiar (POF) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

As famílias brasileiras gastaram R$ 7,77 bilhões ao mês com pagamento de impostos diretos em 2008, incluindo IPTU, IPVA, ISS e IR. As despesas com vestuário ficaram abaixo desse valor, totalizando R$ 7,5 bilhões ao mês no mesmo ano.

"O que se gasta com o pagmento de imposto é o dobro do que movimenta, por exemplo, o mercado de eletrodomésticos e eletrônicos no País", afirma o assessor econômico da Fecomércio, Altamiro Carvalho. "Mas, enquanto os eletrodomésticos melhoraram a qualidade de vida das pessoas, o mesmo não acontece com os impostos. O trânsito não ficou melhor porque as pessoas estão pagando mais IPVA", acrescenta.

Os gastos mensais com impostos cresceram 8% entre janeiro de 2002 e dezembro de 2008, informa a assessoria técnica da Fecomercio.

A pesquisa também mostra o grande degrau existente entre o total de impostos pagos pelas diferentes camadas de renda. Cada família da classe A pagou R$ 1.555 mil em impostos diretos ao mês em 2008. Esse total cai para R$ 334 por mês na classe B e para R$ 103 e R$ 41 ao mês, respectivamente, nas classes C e D.

O total desembolsado com impostos pelas famílias da classe A de São Paulo, de R$ 895,52 milhões ao mês em 2008, superaram as despesas de todas as famílias do País com a compra de arroz, que totalizaram R$ 864 milhões, compara a pesquisa.

Leia também no iG Economia:

Devolução de cheques no semestre é a maior desde 2009

Geladeira fica só R$ 2,00 mais cara com alta dos juros

Leia o iG Finanças Pessoais

Vale a pena mudar-se para economizar?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.