Tamanho do texto

Segundo o ministro, a crise global está numa fase pior e o País sofre as consequências dos problemas nos EUA e na Europa

Guido Mantega
Greg Salibian
Guido Mantega
O cenário econômico externo adverso continua no radar do governo brasileiro, em especial do ministro da Fazenda Guido Mantega, que firmou nesta quarta-feira ser necessário ao Brasil adotar medidas de defesa, colocando um "cordão de isolamento" para que o País não seja prejudicado pelas incertezas nos Estados Unidos e Europa.

"A crise mundial continua, está numa fase um pouco maior do que estava. A questão de fundo é a recuperação econômica, dos Estados Unidos e da Europa, e nós aqui sofremos as consequências disso, embora em uma situação muito melhor", disse Mantega.

Em relação à aprovação da elevação do teto da dívida pública , o ministro ressaltou que o acordo firmado anteontem entre os partidos republicano e democrata "não é satisfatório", pois resolve o problema da dívida, mas não o do crescimento dos Estados Unidos, questão que deve se arrastar por alguns anos.

"Os Estados Unidos estão tendo um desempenho econômico inferior ao que se esperava. Acredito que o governo dos EUA não tenha as condições para fomentar o crescimento da economia, fica a desejar neste sentido".

Mantega descartou a possibilidade de um rebaixamento dos títulos do governo norte-americano. "Não é o caso de rebaixamento dos EUA, porque do ponto de vista financeiro ele vai continuar cumprindo suas obrigações", mas destacou que o problema de fundo permanece.

Veja também:

- Para FMI, acordo reduz incertezas e reforça credibilidade dos EUA

- Para FMI, Brasil mostra sinais de superaquecimento

- Agência de rating chinesa rebaixa nota dos EUA para "A"