Tamanho do texto

SÃO PAULO - Cientistas brasileiros estão fazendo testes e adicionando de 8% a 10% de etanol anidrido de cana-de-açúcar ao biodiesel produzido a partir de oleaginosas como o girassol e a soja, informaram nesta quinta-feira fontes do setor.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237573945336&_c_=MiGComponente_C

"Até o momento, os caminhões que estão utilizando a nova mistura não apresentaram problemas de rendimento. Ao contrário, os resultados foram bastante satisfatórios", informou o pesquisador Octavio Valsechi durante a 2ª Semana do Etanol, em Ribeirão Preto.

Valsechi, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), detalhou que o procedimento deverá ser aprovado pelos órgãos oficiais, que autorizaram para 2010 a adição obrigatória de 5% de biodiesel ao diesel convencional.

"As energias renováveis são cada vez mais oportunas para o Brasil, dono da matriz energética mais limpa do mundo", apontou Valsechi, referindo-se ao percentual de 14% de biocombustível que receberá o diesel usado no País.

No País, a gasolina brasileira recebe obrigatoriamente 25% de etanol e 94% da nova frota de automóveis que sai das fábricas já tem a tecnologia "flex", que permite a combustão em um mesmo tanque utilizando gasolina e álcool.

Segundo Valsechi, o País começou em julho a vender a primeira motocicleta "flex" do mundo e colocou em atividade um ônibus movido exclusivamente por biodiesel, o primeiro na América Latina.

Leia mais sobre: etanol

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.