Tamanho do texto

Brasília, 4 mai (EFE).- Os Governos do Brasil e dos Estados Unidos retomaram hoje o diálogo na área comercial depois do litígio na Organização Mundial do Comércio (OMC).

Brasília, 4 mai (EFE).- Os Governos do Brasil e dos Estados Unidos retomaram hoje o diálogo na área comercial depois do litígio na Organização Mundial do Comércio (OMC). Altos funcionários dos dois países se encontraram hoje em Brasília na quinta rodada de diálogo bilateral, a primeira reunião deste tipo desde 2008, que aconteceu depois que os dois Governos chegaram a um acordo. A reunião se centrou na propriedade intelectual, na padronização de serviços e nas facilidades para o comércio, segundo detalhou um comunicado divulgado pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil (MDIC). "Estou muito satisfeito de retomar o diálogo comercial com o Brasil", disse o subsecretário de Comércio Internacional dos EUA, Francisco Sánchez, citado na nota. De acordo com esta versão, Sánchez, que se reuniu hoje com o secretário brasileiro de Comércio Exterior, Welber Barral, acrescentou que estas reuniões, nas quais são abordadas todas as questões bilaterais na área de comércio, devem continuar. Barral assegurou que "todas as ações de diálogo comercial serão centradas na inovação, que será o eixo da cooperação comercial entre o Brasil e os Estados Unidos". O encontro de hoje foi a quinta rodada de reuniões entre os dois países dentro do mecanismo de diálogo bilateral iniciado por Brasília e Washington em 2006, conhecido como MDIC-DOC. Este diálogo passa por dificuldades em parte por causa dos subsídios concedidos por Washington a seus produtores de algodão. A OMC considera a medida ilegal e autorizou Brasília a entrar com represálias. Há duas semanas o presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou que os dois países tinham chegado a um acordo para evitar castigar os Estados Unidos. O Brasil se dispôs a acabar com as tarifas aplicadas a uma centena de produtos americanos com um custo próximo aos US$ 829 milhões. Em virtude do acordo, os EUA submeterão os subsídios que concedem aos produtores rurais de algodão a exame, entre outras medidas, para evitar a resposta brasileira. Segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior do MDIC, as vendas do Brasil para os EUA aumentaram 19% entre janeiro e abril deste ano, enquanto as importações aumentaram 12,7% em relação ao mesmo período de 2009. Barral reconheceu que o crescimento dos intercâmbios comerciais entre os dois países é magro, mas assegurou que há espaço para aumentar o comércio. EFE mb/pb

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.