Tamanho do texto

As Bolsas de Nova York abriram em alta após os dados divulgados esta manhã nos Estados Unidos e a reação positiva ao anúncio de que o Bank of America (BofA) vai pagar um empréstimo de US$ 45 bilhões que recebeu do governo. Esta notícia, juntamente com a divulgação da queda no número de pedidos de auxílio-desemprego na semana passada, reforçou as análises de que a economia está melhorando.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237575299954&_c_=MiGComponente_C

  • Acompanhe os mercados em tempo real
  • Simulador de Investimentos do iG: "compre" e "venda" ações, e crie até 20 carteiras virtuais, tudo de graça; experimente
  • Às 12h35 (de Brasília), o Dow Jones ganhava 0,23%, o Nasdaq subia 0,50% e o S&P tinha alta de 0,30%. No pré-mercado em Wall Street, as ações do BofA subiam 3,3%.

    Os índices chegaram a parar momentaneamente a alta depois que o presidente do Banco Central Europeu, Jean-Claude Trichet, deu detalhes sobre uma estratégia de saída para o BCE. Trichet também classificou como importantes os comentários do governo dos EUA sobre o dólar forte, o que ajudou a tirar o dólar de suas mínimas e limitou os ganhos das ações em Nova York. O Banco Central Europeu (BCE) decidiu manter a taxa básica de juros da zona do euro em 1,0% ao ano, conforme previsto.

    O número de trabalhadores norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego caiu 5 mil, para 457 mil, após ajustes sazonais, na semana até 28 de novembro, informou o Departamento de Trabalho dos EUA. Trata-se do menor nível desde a semana de 6 de setembro de 2008 e foi a segunda semana consecutiva de novembro em que os pedidos ficaram abaixo da marca de 500 mil. Economistas esperavam aumento de 19 mil pedidos. O dado da semana anterior foi revisado para 462 mil, de 466 mil originalmente.

    Os investidores ainda vão monitorar hoje, depois das 13 horas, a audiência de confirmação no Senado da indicação de Ben Bernanke para mais um mandato à frente do Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano). As informações são da Dow Jones.

    Leia mais sobre: mercados 

      Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.