Tamanho do texto

SÃO PAULO (Reuters) - O esforço do governo para sustentar os investimentos em infra-estrutura garantirá um piso para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil de pelo menos 3,5 por cento em 2009, afirmou nesta segunda-feira o presidente do BNDES, Luciano Coutinho. Se trabalharmos bem, chegamos a 4 por cento, destacou a jornalistas, após participar de uma reunião fechada com representantes de empresas e entidades do agronegócio do país.

"Porque é um impulso muito forte, o amadurecimento dos projetos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) ajuda muito."

Ele acrescentou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social está oferecendo empréstimos-ponte para investimentos em infra-estrutura, para compensar "falhas" do mercado neste momento de aperto de crédito.

"Estamos respondendo de maneira afirmativa a essa dificuldade de bancos privados... por exemplo, com empréstimos-ponte... A demanda é muito firme. Pelo menos 2,5 bilhões de reais serão oferecidos (em 2009)", declarou.

Coutinho disse ainda que a instituição está estimulando a formação de grandes fundos em infra-estrutura, tentando atrair recursos externos para que o crescimento da economia brasileira seja sustentado em época de crise.

SANTO ANTÔNIO E JIRAU

De acordo com o presidente do BNDES, os recursos para financiar as hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, no rio Madeira, estão "absolutamente garantidos".

"Estamos finalizando a aprovação do projeto de Santo Antônio, em breve vamos aprovar", declarou, observando que, com a participação de outras instituições financeiras, o BNDES não precisará atingir o limite de financiamento de 70 por cento da obra.

"Ficará um pouco abaixo... a Caixa Econômica Federal ajudou com um pedaço... Então aliviou para o BNDES, mas ele vai a 60 por cento, pelo menos."

No caso de Jirau, o banco ainda negocia com o consórcio vencedor da licitação para a obra.

(Reportagem de Roberto Samora)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.