Tamanho do texto

Pesquisa do Reclame Aqui aponta as principais razões de negativas ao evento que promete mega promoções no varejo

A Black Friday movimentou mais de R$ 1 bilhão em 2014 e este ano – nesta sexta-feira (27) – promete alcançar a marca de R$1,9 bilhão. Mas nem todos os consumidores confiam nos descontos dados na data. Uma pesquisa realizada pelo Reclame Aqui, com 11.790 pessoas, revelou que 7 a cada 10 que não pretendem comprar participar do evento o fazem por não acreditarem nos descontos. Isso representa 25% do total das pessoas entrevistadas, quando são somados aos que irão aproveitar os descontos.

Um quarto dos consumidores não acreditam nos descontos dados na Black Friday
iStock
Um quarto dos consumidores não acreditam nos descontos dados na Black Friday

O cuidado dos consumidores cresce junto com a adesão ao evento. De acordo com pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), 44% dos brasileiros pretendem verificar a veracidade dos descontos e 54% pretende pesquisar também para identificar as lojas com os melhores preços.

De acordo com a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, agora é a oportunidade dos lojistas realizarem promoções grandes e diferenciadas. "Os comerciantes devem se certificar que os descontos serão reconhecidos pelos consumidores e, assim, ganharem credibilidade com eles", afirma.

Uma pesquisa encomendada pelo Google Brasil com mil pessoas, no final de outubro, mapeou os hábitos de consumo do brasileiro e as expectativas do varejo para a Black Friday. Ela aponta que 82% dos internautas brasileiros que compraram na data em 2014 pretendem voltar a gastar em 2015 e uma em cada três pessoas que não compraram ano passado vão aproveitar as promoções desse ano.

Procura pelo preço que cabe no bolso

A diretora de Varejo do Google, Claudia Sciama, acredita que essa edição do evento será boa principalmente para o mercado de smartphones. “Eles apresentam a maior taxa de interesse de compra. Dos que compraram um celular no ano passado, 42% querem usar a data para trocar de aparelho”, completa.

Dentre as pessoas que compraram eletrodomésticos, moda, computadores, televisores e produtos de beleza, o interesse na compra de um novo aparelho de celular gira em torno dos 36%, de acordo com a pesquisa do Google. Entre os termos mais procurados no buscador, celular, smartphone e iPhone estão no topo da lista.

Na semana do BF, cresce a busca por produtos que cabem no bolso do consumidor, em detrimento dos “sonhos de consumo”. No ano passado, por exemplo, na onda das TV’s 4K, o produto mais procurado foi a TV de plasma que teve um aumento de 415% nas buscas. O mesmo aconteceu com os smartphones. O iPhone 6 era o lançamento da época em 2014, no entanto durante o período da BF houve um boom de buscas para o iPhone 5s e o 4s.

Galeria: Empresas campeãs de reclamação na Black Friday 2014


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.