Tamanho do texto

SÃO PAULO - O presidente do Federal Reserve (Fed), Ben Bernanke, e o secretário do Tesouro americano, Timothy Geithner, pediram ao Congresso mudanças para ter uma regulação mais severa para todas as instituições financeiras que representem risco sistêmico à economia. Presentes à Comissão de Serviços Financeiros da Câmara sobre a regulação e supervisão do socorro federal à AIG, Bernanke e Geithner pressionaram os congressistas para ganharem novos poderes para fechar empresas financeiras de maneira ordenada. Até o momento, as autoridades reguladoras federais têm poder de assumir e fechar bancos.

Por isso, o Fed e o Tesouro tiveram de improvisar uma vez que a crise financeira atingiu grandes bancos, empresas de corretagem e seguradoras.

Especificamente sobre a AIG, que recebeu bilhões de dólares em ajuda do governo americano para evitar seu colapso, Bernanke notou que a empresa era uma peça de dominó que poderia causar a queda de outras grandes companhias e que poderia levar os Estados Unidos a enfrentar uma crise no estilo dos anos de 1930.

Mais recentemente, a AIG ocupa o centro de uma polêmica sobre o pagamento de bônus a seus funcionários. Sobre esta questão, o secretário do Tesouro americano disse aos legisladores compartilhar a frustração pública com as práticas de compensação da AIG.

"Divido a raiva e frustração do povo americano não só com relação às práticas de compensação na AIG e em outras partes de nosso sistema mas também pelo motivo de nosso sistema financeiro permitir uma escala de tomada de risco que causou grande prejuízo para as vidas de tantos americanos", comentou Geithner à Comissão de Serviços Financeiros da Câmara dos EUA.

O presidente do Fed queria processar a AIG por causa do pagamento de bônus, mas foi aconselhado a não fazer isso porque o governo poderia ter de desembolsar uma quantia substancial se o Fed perdesse o caso.

(Valor Online, com agências internacionais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.