Tamanho do texto

Dono da CSN foi convidado, assessoria confirmou presença, mas executivo não se juntou ao grupo em encontro com a presidenta

Pouco afeito a aparições e declarações públicas, o empresário Benjamin Steinbruch - sócio controlador da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), não compareceu ao encontro convocado pela presidenta Dilma Rousseff para discutir maiores investimentos da iniciativa privada na economia diretamente com as principais empresas do país.

Apesar de a assessoria da CSN ter confirmado ao iG Economia , na terça-feira, que Steinbruch compareceria, o executivo faltou ao encontro com integrantes do primeiro escalão do empresariado nacional no Palácio do Planalto nesta quinta-feira.

Dilma se reúne com empresários em Brasília
Agência Brasil
Dilma se reúne com empresários em Brasília

Leia mais: Dilma reúne 25 empresários para pedir mais investimentos privados

A família, contudo, está sendo representada pelo presidente da Vicunha Têxtil, Ricardo Steinbruch, irmão de Benjamin. O setor têxtil será um dos segmentos industriais beneficiados por uma redução tributária na folha de pagamento negociada com o Ministério da Fazenda e a associação dos fabricantes de fios e tecidos (Abit).

Negócios na Alemanha
Benjamin Steinbruch coordena a implantação da Transnordestina, ramal ferroviário estratégico para o Planalto por conectar os estados do Alagoas, Ceará, Pernambuco e Piauí - interligando os portos de Pecém (CE) e Suape (PE). A obra com 1.728 quilômetros recebe R$ 5,6 bilhões em aportes, sendo R$ 1,3 bilhão da CSN e parte do restante financiado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Segundo a assessoria da CSN, Steinbruch precisou viajar para Alemanha, onde negocia os termos finais da compra da siderúrgica Stahlwerk Thüringen (SWT), produtora de aços longos adquirida junto ao grupo espanhol Alfonso Gallardo por € 482,5 milhões.

O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, participa do encontro com empresários. Ao lado dele, entre os executivos do setor financeiro, estão os presidentes do Itaú, Roberto Setubal, Bradesco, Luiz Trabucco, e BTG Pactual (Panamericano), André Esteves.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.