Tamanho do texto

A economia do Reino Unido registrou contração de 0,5% no terceiro trimestre e entrou em recessão no segundo semestre deste ano, afirmou hoje o Banco da Inglaterra (BoE) em seu relatório de inflação trimestral. Segundo o documento, a economia britânica continuará em contração no primeiro semestre de 2009 e deverá começar a se recuperar no segundo semestre do próximo ano.

O BoE disse que há uma série de visões sobre a direção da economia no Comitê de Política Monetária, com a principal incerteza sendo a fraqueza da libra esterlina. Contudo, o BoE disse que, no geral, os riscos ao crescimento e à inflação estão "amplamente balanceados".

A taxa de inflação no Reino Unido irá cair "bem abaixo" da meta de 2% no médio prazo, se a taxa básica de juro permanecer em 3% ao ano, afirmou o BoE. Segundo a instituição, há algum risco de deflação a partir do final de 2009 caso o juro não seja alterado. Contudo, a autoridade monetária disse que o risco de um período de queda de preços é relativamente pequeno.

O banco central acrescentou que as perspectivas para o crescimento econômico e a inflação são "extraordinariamente incertas". Para o crescimento, o BoE projeta que a economia irá se contrair a uma taxa anual de cerca de 2% até o segundo semestre de 2009, se os juros se moverem em linha com as expectativas do mercado, que seria de uma taxa básica de 2,75% no segundo semestre do próximo ano. No entanto, dentro da projeção central, o crescimento irá se recuperar no segundo semestre de 2009 e irá "crescer de certa forma acima da taxa média histórica" até 2011.

Juro

O presidente do BoE, Mervyn King, disse hoje que o Comitê de Política Monetária está preparado para cortar o juro novamente, depois da redução de 1,5 ponto porcentual na semana passada, para 3%, o menor nível desde os anos 1950. "Estamos certamente preparados para cortar esse juro novamente se for necessário", disse ele. King afirmou que o comitê cortaria os juros para "qualquer nível que for necessário para assegurar" que a inflação volte à meta.

King também deu uma aprovação condicional aos planos do governo de lançar um estímulo fiscal para amortecer a desaceleração da economia. Segundo ele, um impulso fiscal é "perfeitamente razoável", mas é crucial que seja feito no contexto de um plano de médio prazo para reparar as finanças públicas. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.