Tamanho do texto

Preocupações com as práticas dos bancos dos EUA ligadas à execução de hipotecas estão aumentando e pressionam as ações do setor financeiro nas Bolsas de Nova York

selo

Preocupações com as práticas dos bancos dos EUA ligadas à execução de hipotecas estão aumentando e pressionam as ações do setor financeiro nas Bolsas de Nova York. Às 14h35 (de Brasília), Bank of America (BofA) caía 5,72% e JPMorgan Chase recuava 3,29%. Ao menos 50 estados dos EUA iniciaram uma investigação conjunta sobre a indústria de serviços hipotecários do país, um movimento que pode obrigar muitas empresas financeiras a revisar grandes volumes de empréstimos problemáticos.

O BofA e o JPMorgan são duas das instituições financeiras norte-americanas que estão revisando suas execuções de hipotecas depois de suspendê-las temporariamente por causa de problemas com assinaturas automáticas que aprovam centenas de documentos por dia. O JPMorgan informou ontem que suspendeu as execuções de hipotecas em 23 estados e está revisando os processos em 41 estados. O BofA suspendeu todas as execuções no início deste mês e o Wells Fargo iniciou uma revisão de todas as execuções nas quais declarações juramentadas são exigidas.

A investigação em escala nacional foi iniciada nesta semana, após acusações de que as empresas de hipotecas - que incluem unidades de grandes bancos, como o BofA - apresentaram documentos fraudulentos em centenas de processos de execução de hipotecas no país.

Os bancos afirmam que os problemas nos documentos são técnicos - em boa parte resultado de papéis aprovados pelos chamados "assinantes robôs", com pouca revisão - e garantem que não refletem deficiências substanciais. De todo modo, esse fato gerou críticas de defensores dos consumidores e de legisladores estaduais e federais. "Tal processo pode ser considerado um ato enganoso e/ou uma prática injusta ou, ainda, violar as leis estaduais", afirmou o grupo multiestadual ligado à investigação conjunta.

Alguns membros do Congresso dos EUA pediram uma moratória para todas as execuções de hipotecas até que a questão da documentação seja resolvida, mas autoridades seniores do governo não quiseram endossar a ideia.

A intenção imediata dos procuradores estaduais é determinar a escala dos problemas de documentação e corrigi-los. No entanto, muitos deles afirmaram que a investigação pode forçar os fornecedores de crédito e de serviços relacionados a hipotecas a concordar com modificações em massa nos empréstimos ou pode levar à aplicação de punições financeiras, entre outras possibilidades. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.