Tamanho do texto

Atuação em Brics deve se concentrar no dragão asiático e na África do Sul, enquanto relações com Rússia e Índia não avançarem

O escritório do Banco do Brasil na China está se transformando em uma agência. A mudança é passo estratégico do BB para ensaiar uma presença no principal parceiro comercial do Brasil no âmbito do Brics (grupo de economias emergentes que inclui Rússia, Índia e África do Sul). “Isso de certa maneira concentra nossa intenção de fazer parte do processo de parceria do Brasil com a China no comércio comercial”, afirma o vice-presidente a área internacional do banco, Paulo Rogério Caffarelli.

O banco não vislumbra presença em outros membros do bloco. “Dificilmente conseguiríamos abranger todos os países do Brics. Quando falamos do bloco estamos falando de Brasil e China”, avalia.

Leia também: “BB escolhe países para atuar na economia local”, diz Caffarelli

Segundo Admilson Monteiro Garcia, diretor da área de negócios internacionais, a Rússia é o país mais fora do perfil de atuação do BB. “A Rússia não contempla os três vetores que empurram o banco em direção à internacionalização. Não há concentração de empresas e comunidades brasileiras, e o fluxo de comercio não é tão significativo”, avalia.

A África do Sul pode ser o próximo intergrante do Brics no qual o BB pode entrar. O executivo não cita o país nominalmente, mas o vice-presidente de internacionalização, Paulo Rogério Caffarelli, afirma ser "estratégico atuar na África". O BB já negociou uma ida ao país africano em parceria com Bradesco e Espírito Santo, mas as conversas não avançaram em função da crise internacional.

Leia também: BB planeja dobrar lucro internacional até atingir 10% da receita

Garcia é cauteloso ao comentar que apesar da disposição do Planalto em consolidar relações comerciais com o Brics, é preciso que os destinos do banco atendam três pontos estratégicos da cultura de internacionalização do BB. “Não estamos olhando blocos econômicos, mas países individualmente dentro da estratégia estabelecida pelo banco de seguir o forte fluxo de comércio bilateral, empresas brasileiras que estão se tornando multinacionais e o fluxo migratório de brasileiros para o exterior”, diz Garcia.