Tamanho do texto

Pelo quinto mês seguido, o indicador que mede o movimento nas fábricas chinesas encolheu em março; analistas previam recuperação

O impulso econômico da China desacelerou em março na medida em que a atividade fabril encolheu pelo quinto mês consecutivo, deixando os investidores assustados com os riscos para o crescimento global e prevendo novo apoio da política monetária de Pequim.

O índice de gerentes de compras preliminar do HSBC, o mais recente indicador da atividade industrial da China, caiu para 48,1, da máxima de quatro meses em fevereiro de 49,6. As novas encomendas afundaram para uma mínima de quatro meses, uma recuperação esperada nas encomendas de exportação não apareceu e as novas contratações despencaram para uma mínima de dois anos.

Leia mais: China reduz previsão de crescimento e muda seu modelo de desenvolvimento

China: investimento de capital desacelerando

"Com as novas encomendas de exportação fracas e a demanda doméstica ainda se enfraquecendo, a desaceleração da China ainda não acabou. Isso pede mais afrouxamento para vir de Pequim", disse o economista-chefe do HSBC na China, Qu Hongbin, em um comunicado.

A fraqueza generalizada nos cinco componentes principais que geram o índice principal surpreendeu analistas, particularmente os que tinham previsto uma clara recuperação na atividade fabril em março depois que o Ano Novo Lunar interrompeu a produção nos primeiros dois meses do ano e distorceu os dados.

(Reportagem de Nick Edwards)

Veja também: China investirá dez vezes mais que Brasil em infraestrutura

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.