Tamanho do texto

Animado pelos bons resultados das receitas nos primeiros meses do ano, o secretário da Receita Federal, Otacílio Cartaxo, resolveu ontem se antecipar e informou que a arrecadação de imposto e contribuições federais apresentou em março um crescimento real (acima da inflação) de cerca de 7%. O dado, disse o secretário, é preliminar.

Animado pelos bons resultados das receitas nos primeiros meses do ano, o secretário da Receita Federal, Otacílio Cartaxo, resolveu ontem se antecipar e informou que a arrecadação de imposto e contribuições federais apresentou em março um crescimento real (acima da inflação) de cerca de 7%. O dado, disse o secretário, é preliminar. O número fechado da arrecadação só será divulgado depois da segunda quinzena de abril. <br><br>Segundo ele, o resultado é positivo porque consolida o processo de recuperação da arrecadação depois do forte impacto negativo observado no ano passado como reflexo da crise financeira internacional. O secretário informou que o resultado de março ficou acima da previsão da Receita. Em fevereiro, a arrecadação cresceu 13,23% ante o mesmo mês de 2009, período em que a crise “bateu mais forte” nas receitas do governo. <br><br>Embora o crescimento de março tenha sido menor que o de fevereiro, o resultado foi considerado extremamente positivo pela área técnica da Receita. Isso porque a base de comparação de março em relação ao mesmo período do ano passado é muito diferente do que a de fevereiro. Enquanto em março de 2009 a queda da arrecadação das receitas administradas foi de 0,63% em comparação ao mesmo mês do ano anterior, a de fevereiro havia caído 11,13%.<br><br>Segundo os técnicos, a arrecadação de março do ano passado ficou praticamente estável porque a maioria das empresas deixou para fazer naquele mês o pagamento do saldo do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) referente à declaração de ajuste relativa ao ano de 2008. Em 2010, as empresas anteciparam o pagamento nos meses de janeiro e fevereiro.<br>
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.