Tamanho do texto

BUENOS AIRES (Reuters) - Argentina e Brasil vão assinar na segunda-feira um acordo para eliminar o dólar do comércio bilateral, que em 2008 chegará a 30 bilhões de dólares, disse o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em comentários publicados no domingo por um jornal argentino. Anunciada em setembro de 2006 e prevista para entrar em vigor em julho de 2007, a iniciativa visa reduzir os custos cambiais do comércio bilateral e simplificar o intercâmbio entre os dois países mais importantes do Mercosul.

O acordo será assinado na segunda-feira no Brasil, durante uma cúpula bilateral com a presidente argentina, Cristina Fernández, em uma iniciativa que pode vir a se estender aos outros membros do bloco, Uruguai, Paraguai e Venezuela, e a países em processo de adesão.

Em entrevista ao jornal argentino Clarín, Lula disse: 'Na segunda-feira vamos assinar com a presidente Cristina (Fernández de) Kirchner o acordo que lança oficialmente o uso de reais e pesos em nosso intercâmbio comercial. Vamos abolir o dólar como moeda em nosso comércio'.

O presidente brasileiro destacou seu interesse em nivelar o comércio com a Argentina, num momento em que a balança mostra um saldo favorável ao Brasil em 3 bilhões de dólares nos primeiros sete meses de 2008, segundo cifras do governo argentino.

'É preciso haver certo equilíbrio; podemos ter uma diferença pequena, um ano pode ter déficit comercial e no ano seguinte, um superávit. Ao governo brasileiro não interessa que haja um superávit comercial grande em favor do Brasil', disse Lula.

DOHA

Lula voltou a minimizar as diferenças entre Argentina e Brasil durante a fracassada rodada de Doha, no final de julho.

O Brasil tentou até o último momento fazer com que a rodada terminasse com um acordo que abrisse o setor industrial dos países menos desenvolvidos, mas a recusa de outros países, como a Argentina, acelerou o fracasso da negociação.

A Argentina considerou que a oferta dos países ricos era pequena demais para abrir seu mercado agropecuário.

'Não devemos enxergar situações de conflito em nossas divergências, mas situações de diferenças, diferenças econômicas e de potencial industrial', disse Lula.

'Quando o Brasil se dispôs na rodada de Doha a fechar um acordo com os termos negociados para a agricultura e os produtos industriais, foi porque o país estava disposto a realizar, no âmbito do Mercosul, as compensações que a Argentina exigiria para não ter problemas', ele acrescentou.

'Mas a realidade é que Doha não parecia trazer grande vantagem para a Argentina e o Brasil', concluiu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.