Tamanho do texto

Para proteger indústria, bloco deve dar prioridade a produtos locais e "impor medidas comerciais defensivas"

A Argentina propôs na terça-feira que os países do Mercosul se empenhem em substituir suas importações por produtos locais, além de impor "medidas comerciais defensivas" para proteger sua indústria.

Representantes do bloco comercial sul-americano --que inclui também Brasil, Paraguai e Uruguai-- reuniram-se em Assunção para discutir o comércio regional, antes de uma encontro de cúpula entre presidentes de países do bloco na quarta-feira.

"O bloco precisa aprofundar o processo de substituição de importações de produtos de fora da zona, de modo a aumentar a escala da produção dentro da zona", disse a ministra argentina da Indústria, Débora Giorgi, em nota.

Essa política, segundo ela, aumentaria a competitividade da região e a ajudaria a se integrar à economia mundial.

Fernando Masi, funcionário do ministério paraguaio da Indústria, disse a jornalistas que os produtos baratos importados da China são uma preocupação específica.

"Há muitos problemas no sentido de que o Mercosul tem poucas defesas contra a invasão de produtos chineses", disse ele a jornalistas.

"Eles (os ministros) não conversaram sobre uma proposta precisa, mas a Argentina trouxe a ideia de melhorar os instrumentos comerciais defensivos."

Também está na pauta da reunião a proposta argentina de uma política automotiva unificada para o bloco.

Neste mês, Argentina e Brasil deram passos para resolver suas disputas nessa área, embora ainda permaneçam barreiras no comércio de veículos e autopeças, o que está no centro da polêmica, especialmente desde que no mês passado Brasília decidiu adiar a concessão de autorizações para a importação de carros.

A disputa chama a atenção de investidores internacionais preocupados com o crescente protecionismo nos mercados emergentes, num momento em que distorções cambiais e disparidades no crescimento global causam tensões econômicas.

"O problema é que não há um mecanismo crível dentro do Mercosul para resolver disputas comerciais", disse Boris Segura, economista-sênior da Nomura International Securities.

"Então, se o comércio aumenta dentro do bloco, deve haver mais guerras comerciais entre os membros."

Argentina e Brasil tiveram um comércio bilateral em torno de US$ 32 bilhões em 2010, com um superávit de 4 bilhões de dólares a favor do Brasil.

As montadoras argentinas enviam cerca de 80% da sua produção de veículos para o Brasil, e esse setor tem sido crucial para o crescimento econômico argentino nos últimos anos.

"O comércio intra-Mercosul tem sido uma das chaves para superar a crise internacional, razão pela qual buscamos diferentes ferramentas para nos ajudar a continuar avançando. Uma delas tem a ver com o comércio em moeda local", disse o ministro argentino da Economia, Amado Boudou.