Tamanho do texto

SÃO PAULO - O governo da Argentina decretou três dias de luto nacional pela morte do ex-presidente Raúl Alfonsín ontem aos 82 anos em Buenos Aires. Ele sofria de um câncer de pulmão há mais de um ano, mas seu estado de saúde se agravou no último fim de semana.

Símbolo do retorno da democracia na Argentina após uma dura ditadura militar, Alfonsín será enterrado no cemitério da Recoleta amanhã.

De Londres, onde está para participar da reunião do G-20, a presidente da Argentina, Cristina Fernández, comentou que a figura de Alfonsín está "indissoluvelmente vinculada à recuperação da democracia na Argentina após a ditadura mais trágica que os argentinos tiveram".

O porta-voz de Alfonsín, José Ignacio López, agradeceu em nome da família do ex-presidente todas as mensagens de condolências recebidas.

(Juliana Cardoso | Valor Online, com agências internacionais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.