Tamanho do texto

Correspondentes da "The Economist" defendem aprendizado de idiomas como português, espanhol e chinês. E você, o que acha?

Aprender português do Brasil pode ser um ótimo investimento, segundo artigo publicado no site da "More Intelligent Life", revista bimensal de cultura publicada pela britânica "The Economist". 

Com uma população de mais de 190 milhões de habitantes e perspectivas econômicas bastante favoráveis, o estrangeiro que dominar o idioma se destacará no mercado de trabalho.

As belezas naturais do País, como as praias exuberantes e a Amazônia, e a simpatia dos brasileiros também contam a favor do aprendizado do idioma. “Você ouvirá muitas vezes que seu português é maravilhoso, mesmo antes disso ser verdade”, diz o artigo.

Outra vantagem para o estrangeiro que quer aprender português, segundo a revista, é não precisar aprender um alfabeto novo ou muitas novidades em gramática. Além disso, a língua também dá acesso a Portugal e países africanos que falam português.

O artigo “Português brasileiro é a melhor língua” faz parte da série “Qual o melhor idioma para se aprender?”, publicada no site da revista. Seis correspondentes da "The Economist" ao redor do mundo foram convidados para responder a questão.

Dentre as sugestões dadas pelos correspondentes estão francês, espanhol, chinês, árabe, “português brasileiro” e até latim. O inglês, considerado pela revista a língua mais útil para se comunicar com o mundo, fica de fora da série – já que a revista é escrita neste idioma.

Já a pesquisa feita com leitores do site indica que a maioria acredita que o francês é a melhor língua para se aprender. Foram 352 votos a favor do idioma, ou 28% do total. Na sequencia aparecem o espanhol (25%), chinês (24%), latim (7%), “português brasileiro” (6%) e árabe (4%). Outras línguas – como alemão, russo, italiano e japonês – receberam juntas 6% dos votos.

E você, o que acha? Vale a pena investir no aprendizado de qual idioma? Deixe aqui seu voto e seu comentário.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.