Tamanho do texto

Reportagem da revista "The Economist" cita aspectos positivos, mas alerta que o modelo pode reforçar a corrupção. Vote e opine

O Brasil é o mais ambíguo dos países do mundo que adotam o chamado capitalismo de Estado, segundo uma reportagem publicada recentemente na revista britânica "The Economist".

Na reportagem, que cita economias conduzidas pelo governo, o modelo brasileiro é descrito como uma mistura práticas liberais com práticas mais intervencionistas, adotadas em outros dois países emergentes como o Brasil: a Rússia e a China.

Economia brasileira ofusca vizinhos

BNDES impulsiona presença brasileira na AL

Ainda de acordo com a publicação, o capitalismo de Estado que estaria em vigor no Brasil tem se tornado um modelo ascendente.

A participação do Estado na economia do País já foi mais forte no passado. No início da década de 80, o país tinha mais de 500 estatais, em todos os níveis de atuação na economia. Com o processo de privatização ocorrido nos anos 90, a presença mais direta do governo na economia foi dando lugar a empresas e consórcios formado por companhais privadas.

No entanto, de acordo com a "The Economist", o Estado voltou a ter uma presença mais forte na economia nos últimos anos. O governo despejou recursos em um punhado de empresas principalmente nos setores ligados a recursos naturais e telecomunicações, segundo a publicação.

A Economist afirma que a grande inovação do capitalismo de Estado brasileiro é a prática que chama de "Leviatã como acionista minoritário", termo emprestado de um estudo dos professores Sergio Lazzarini, do Insper, e Aldo Musacchio, da Harvard Business School.

A revista ressalta que o Estado no Brasil é acionista minoritário em diversas companhias privadas e mesmo não possuindo o controle acionário, tem força para mudar ou ditar o rumo dos negócios de acordo com seus interesses.

A publicação faz elogios ao modelo, mas cita que o capitalismo de Estado frequentemente reforça a corrupção, "porque aumenta o tamanho e as opções de prêmios aos vitoriosos".

(Com BBC Brasil)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas