Tamanho do texto

As lojas nos Estados Unidos atraíram mais consumidores durante o fim de semana prolongado da Black Friday (período após o feriado de Ação de Graças), mas o volume maior de clientes não foi suficiente para impulsionar os gastos, que caíram em relação ao ano passado, segundo dados da Federação Nacional de Varejo (NFR, pelas in iniciais em inglês) dos Estados Unidos. Entre quinta-feira a domingo, 195 milhões de pessoas visitaram lojas e websites, contra 172 milhões em igual período do ano passado.

Já o gasto médio por pessoa caiu para US$ 343,31, de US$ 372,57 um ano antes. Os gastos totais atingiram US$ 41,2 bilhões, segundo a federação. Os dados referentes a domingo são projetados.

"Os compradores provaram neste fim de semana que estavam dispostos a abrir a carteira para pechinchas, buscando tirar vantagem de bons negócios em itens mais baratos, como brinquedos, pequenos utensílios e roupas de inverno", disse Tracy Mullin, presidente da federação, em nota publicada no site da federação. Ela acredita que os varejistas continuarão se concentrando em promoções até o fim de dezembro, agora que observaram o comportamento dos clientes.

As lojas mais procuradas no foram as de departamento, escolhidas por 49,4% dos compradores, um aumento de 12,9% em relação ao ano passado, segundo pesquisa da federação. "As lojas de departamento fizeram um trabalho admirável em reunir preços baixos e boa qualidade, que são exigências importantes para os compradores que seguem um orçamento", disse Tracy.

À medida que os consumidores se preparavam para a Cyber Monday hoje - segunda-feira depois da Black Friday, em que o comércio online tem forte procura -, 28,5% dos consumidores fizeram suas compras pela internet no fim de semana.

O gasto dos consumidores corresponde a quase 70% da economia dos Estados Unidos e vai ajudar a determinar quão rápido o país poderá se recuperar da recessão iniciada em dezembro de 2007, segundo Torsten Slok, economista do Deutsche Bank.

A NRF prevê queda de 1% nas vendas de fim de ano, o que marcará um recuo sem precedentes por dois anos consecutivos. Varejistas online, por outro lado, registraram alta de 11% nos gastos da Black Friday, para US$ 595 milhões, com Amazon.com e Walmart.com registrando as maiores expansões no fluxo de clientes, segundo a empresa de pesquisa comScore.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.