Tamanho do texto

SÃO PAULO (Reuters) - A inflação pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) acelerou em novembro em linha com o esperado, refletindo a reversão da queda dos alimentos e uma aceleração de vestuário. O indicador teve alta de 0,26 por cento em novembro, ante variação positiva de 0,01 por cento em outubro, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV), nesta terça-feira. Na terceira leitura de novembro, o índice havia subido 0,22 por cento.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237574240877&_c_=MiGComponente_C

"Esta foi a maior taxa de variação, desde a terceira semana de setembro de 2009, quando o IPC-S foi de 0,33 por cento", disse a FGV em nota.

A previsão de analistas consultados pela Reuters era de alta de 0,26 por cento para novembro.

Os preços do grupo Alimentação avançaram 0,27 por cento neste mês, contra queda de 0,95 por cento em outubro e alta de 0,13 por cento na terceira semana de novembro. O destaque ficou com as frutas, que aumentaram 2,59 por cento.

Os de Vestuário tiveram elevação de 0,92 por cento em novembro, após avanço de 0,29 por cento em outubro.

Os custos de Despesas Diversas passaram de queda de 0,19 por cento em outubro para alta de 0,05 por cento agora.

Por outro lado, os preços de Habitação diminuíram a alta, para 0,26 por cento neste mês, ante 0,51 por cento no anterior.

As maiores altas individuais de preços em novembro foram de batata-inglesa, mamão papaia, cebola, açúcar refinado e condomínio residencial.

(Por Vanessa Stelzer)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.