Tamanho do texto

BRASÍLIA - O vice-presidente José Alencar recomendou um exame criterioso dos casos de necessidade de recursos, de modo a evitar juízo precipitado. Segundo ele, há uma demanda natural da atividade produtiva e dos exportadores por crédito e isso tem que ser examinado caso a caso, não pode ser liberado a torto e a direito.

Ele lembrou que a crise no sistema hipotecário norte-americano, que acabou se estendendo para outros setores e se alastra no mundo, começou com a liberação de financiamentos sem a devida garantia.

Para ele a crise é de confiança no sistema bancário. Alencar afirmou que no Brasil o segmento vai muito bem, e não trabalha com os abusos que se viu nos Estados Unidos. "Podemos passar por isso sem grandes problemas".

Sobre os possíveis cortes no orçamento para que o país gaste menos, Alencar sugeriu cortar a taxa básica de juros para reduzir os gastos do governo.

"A rubrica mais importante no Orçamento é relativa aos juros com que o país rola suas dívidas. Temos gastado muito. Nos oito anos de governo, vamos chegar a R$ 1,2 trilhão. Nos primeiros quatro anos, gastamos R$ 600 bilhões. A taxa [de juros] brasileira é muito alta. Na maioria do mundo é um sexto dessa", reafirmou.

Para Alencar, reduzir os juros básicos "será uma grande economia que o país fará".

José Alencar falou com os jornalistas depois de participar da cerimônia de comemoração dos 20 anos da Constituição, no Congresso Nacional.

(Agência Brasil)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.