Tamanho do texto

Plano do país incluiria a participação voluntária de credores privados, segundo jornal alemão

O Ministério alemão das Finanças está esboçando um novo pacote financeiro para a Grécia, que incluiria a participação voluntária dos credores privados, afirmou o jornal Welt am Sonntag neste sábado.

Segundo o periódico, em um trecho previamente obtido antes da publicação no domingo, o plano prevê que os investidores que detêm títulos gregos com vencimento de 2012 a 2014 os troquem voluntariamente por novos instrumentos da dívida soberana com um prazo estendido de sete anos.

O Ministério das Finanças não se pronunciou sobre o relatório.

O Welt am Sonntag citou um documento oficial do Ministério dizendo que, em princípio, é possível estruturar uma conversão da dívida de forma a evitar a inadimplência.

De acordo com os termos do plano, os credores poderiam ser motivados a participar de uma troca voluntária, com a ajuda de uma chamada "cláusula de ação coletiva" que seriam introduzidas em contratos de títulos existentes, no caso de não haver investidores o suficiente para participar.

Ao mesmo tempo, o plano do Ministério diz que os investidores que trocarem seus títulos antigos por novos receberiam tratamento preferencial no futuro, se outra renegociação fosse necessária.

Há preocupações no mercado financeiro que a Grécia será forçado a uma reestruturação de sua dívida, de cerca de 330 bilhões de euros (US$ 476,1 bilhões), o equivalente a cerca de 150% do PIB no final do ano passado.

Uma reestruturação que resultasse em perdas aos credores privados foi descartada, por enquanto, mas a Alemanha e seus aliados, como a Finlândia e os Países Baixos, estão insistindo em algum tipo de participação simbólica do setor privado.

Fontes disseram à Reuters nas últimas duas semanas que os investidores que detêm títulos gregos com vencimento em 2012 e 2013 poderiam ser incentivados a rolar essa dívida sob proteção de um regime semelhante ao da "Iniciativa de Viena", utilizada no início de 2009 para proteger os sistemas bancários na região central e oriental da Europa.

Até agora não está claro o que os governos irão oferecer de incentivos para convencer os investidores a comprar novos títulos gregos, mas em casos semelhantes no passado, foram prometidos cupons mais elevados, status de credor preferencial ou colateral como estímulo.

Leia mais:

- Grécia concorda com medidas de 6,4 bi de euros, diz fonte
- Moody's rebaixa nota de crédito da Grécia
- Juncker descarta 'reestruturação total' da dívida grega

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.