Tamanho do texto

Por Andreas Moeser e Langi Chiang BERLIM/PEQUIM (Reuters) - A Alemanha apresentou nesta terça-feira um pacote de estímulo para salvar a maior economia europeia da pior recessão desde a Segunda Guerra Mundial, ao mesmo tempo que outros países da Europa e da Ásia mostraram mais sinais de desaquecimento.

O plano de 50 bilhões de euros (67 bilhões de dólares) da Alemanha é o segundo desse tipo.

"Este é o maior pacote que a Alemanha já viu", disse o ministro de Finanças do país, Peer Steinbrueck. O plano foi acertado no final da segunda-feira.

Steinbrueck disse que o pacote inclui uma mistura de investimentos e corte de impostos, como incentivos para compras de carros novos.

O chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, afirmou que apenas estímulo fiscal não será suficiente para promover uma recuperação duradoura da economia dos Estados Unidos e que mais medidas voltadas a bancos podem ser necessárias.

A França pode incrementar seu plano, enquanto a Grã-Bretanha, que anunciou um pacote de 20 bilhões de libras em novembro, enfrentou um trio de pesquisas mostrando que a economia entrou na recessão mais profunda desde pelo menos os anos de 1980.

A Standard & Poor's alertou que o rating de Espanha, Grécia e Irlanda estão sob risco diante da crise global.

A desaceleração das economias deve fazer com que o Banco Central Europeu (BCE) corte novamente a taxa básica de juro da região, segundo economistas ouvidos pela Reuters.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.