Tamanho do texto

Porto Alegre - Após um ano considerado difícil para os exportadores, o presidente da Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frango (Abef), Francisco Turra, estimou nesta quarta-feira que em 2010 os volumes embarcados devem mostrar estabilidade ou aumento de até 2% em comparação a 2009. A previsão leva em conta que não haverá mudança na situação do câmbio e que a crise financeira ainda provocará alguns solavancos em mercados abastecidos pelo Brasil.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237575269770&_c_=MiGComponente_C

De janeiro a outubro, o Brasil exportou 3,051 milhões de toneladas de carne de frango, 2,95% a menos na comparação com 2008. Os embarques geraram receita de US$ 4,801 bilhões, 21,1% a menos que no ano passado. Em novembro, Turra informou que foram exportadas 269,14 mil toneladas, ante 235 mil toneladas no mesmo mês de 2008. A receita somou US$ 470,8 milhões.

Ele calculou que o ano terminará com vendas iguais em volume ou talvez 1% inferiores a 2008. "Para nós, foi uma vitória", comentou, numa referência às dificuldades de mercado em 2009.

Para atenuar os efeitos da crise financeira, iniciada em setembro do ano passado, o setor saiu em busca da abertura de mercados. Turra disse que a estratégia em 2010 é trabalhar prioritariamente 30 mercados de forma a consolidar a posição em 20 deles e abrir dez novos destinos. Com base nessa estratégia, as vendas podem subir até 2% no próximo ano.

Até outubro de 2009, as exportações cresceram mais para a China - que foi conquistada recentemente -, Chile, Ilhas Canárias e Iraque. Os países que mais diminuíram as importações do Brasil foram Rússia, Venezuela, Vietnã e Azerbaijão.

Leia mais sobre: exportação

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.