Vídeo divulgado pelo Sindicato dos Metalúrgicos mostra funcionários da Embraer sendo agredidos pela polícia
Reprodução/Sindicato dos Metalúrgicos
Vídeo divulgado pelo Sindicato dos Metalúrgicos mostra funcionários da Embraer sendo agredidos pela polícia

A greve dos trabalhadores da Embraer em São José dos Campos foi suspensa nesta quarta-feira (25) após ação violenta da polícia durante mobilização dos funcionários em frente à fábrica na noite anterior.

O ato dos empregados da Embraer havia se iniciado na terça-feira (24) e tinha adesão de 100% do efetivo. Os trabalhadores reivindicavam aumento real e manutenção de todos os direitos previstos na convenção coletiva de trabalho, mas voltaram aos seus postos de trabalho por orientação do próprio sindicato da categoria.

De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, o cenário mudou com a chegada dos funcionários dos setor administrativo. “Homens da Polícia Militar e da Tropa de Choque fizeram um corredor polonês para que, intimidados, os trabalhadores entrassem na fábrica”, informou o sindicato. Além da Polícia Militar, também estavam no local policiais da Aeronáutica. 

Ainda segundo a organização, “os dirigentes sindicais Alex da Silva Gomes e Herbert Claros, que estavam em frente ao portão principal da Embraer, chegaram a ser agredidos com cassetetes pela PM. Alex foi detido e levado para a Delegacia da Polícia Federal, mas não houve indiciamento”. Assista o momento no vídeo abaixo.

“A truculência da PM a mando da empresa é um crime contra o direito à livre organização sindical e ao direito constitucional de greve . A paralisação foi suspensa, mas a luta dos trabalhadores continua e a greve pode voltar a qualquer momento”, afirma o diretor do Sindicato Herbert Claros.

Você viu?

Leia também: Os jatinhos da discórdia

Negociação com a Embraer

Embraer e sindicalistas tiveram uma reunião na terça-feira, mas não houve acordo entre as partes
Agência Brasil/Antônio Milena
Embraer e sindicalistas tiveram uma reunião na terça-feira, mas não houve acordo entre as partes

Na terça-feira à noite, representantes da Embraer se reuniram com o sindicato , mas, de acordo com a categoria, não apresentaram nenhuma nova proposta e exigiram o fim da greve, que não foi acatada pelos sindicalistas.

Os trabalhadores pedem reajuste salarial de 6,37%, enquanto a empresa propõe apenas a inflação, equivalente a 3,28%, e retirada de direitos da Convenção Coletiva da categoria. O Sindicato defende a continuidade das negociações, desde que tenham avanços na proposta patronal.

A unidade da Embraer em São José dos Campos produz aviões comerciais e é esta a fábrica que está sendo vendida para a Boeing . “Não é por acaso que a Embraer insiste na liberação da terceirização dentro da fábrica. A Boeing tem todo interesse em acabar com essa cláusula”, conclui Herbert.

Sobre o episódio da repressão policial, o advogado do sindicato Aristeu Pinto Neto disse que irá tomar todas as medidas judiciais necessárias para “denunciar o uso do Estado por uma empresa privada para reprimir os trabalhadores”. “Isto é grave e tem de ser apurado”, afirma.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários