Tamanho do texto

Para 41% dos trabalhadores, o valor do benefício é considerado baixo, sendo que metade deles gasta em média R$ 99 por mês para complementar o valor

Brasil Econômico

Um levantamento feito em abril de 2016  pela Sodexo Benefícos e Incentivos, mostrou que para 81,51% dos trabalhadores, o valor do benefício refeição não costuma durar até o final do mês
iStock
Um levantamento feito em abril de 2016 pela Sodexo Benefícos e Incentivos, mostrou que para 81,51% dos trabalhadores, o valor do benefício refeição não costuma durar até o final do mês

Uma pesquisa lançada em novembro pela Fundação Instituto de Administração (FIA) e publicada no livro “40 Anos do Programa de Alimentação do Trabalhador - Conquistas e desafios da política nutricional com foco em desenvolvimento econômico e social” evidenciou que para 41% dos trabalhadores, o valor do benefício refeição é considerado baixo, sendo que metade deles gasta em média R$ 99 por mês para complementar o valor já recebido para almoçar. 

 + Por que mudar o horário das refeições pode ser mais saudável

O Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) beneficiou 19,5 milhões de pessoas em 2015, onde 83,2% deste total são trabalhadores que ganham até cinco salários mínimos mensais e 23,9% deles recebem o benefício refeição . De acordo com a mesma pesquisa, mais de 93% das organizações brasileiras acreditam que  auxilio referente a alimentação é essencial para a qualidade e o bom rendimento desses trabalhadores.

Um levantamento feito em abril de 2016  pela Sodexo Benefícos e Incentivos, mostrou que para 81,51% dos beneficiários, o valor mensal do vale refeição não costuma durar até o final do mês.  Para 42,81% deles, a não duração do benefício seja por conta do baixo valor, e para outros 40,5% a causa está nos preços elevados das refeições próximas aos seus locais de trabalho e 16,68% dizem utilizar o benefício também nos finais de semana.

 + Como um ex-garçom transformou carro usado em negócio de R$ 1,4 bilhão

A Pesquisa Refeição Assert – Preço Médio 2016, realizada pela Assert, busca anualmente incorporar elementos que possam contribuir para as questões que envolvem alimentação e qualidade de vida. Em sua décima terceira edição, a pesquisa separada em “Valor Médio” e “Média Regional”, mostrou que nas regiões Sul e Sudeste, as média são mais elevadas, sendo R$ 31,74 no Sul e R$ 30,93 no Sudeste. No Norte e Nordeste, os preços são similares: R$28,48 e R$29,18 respectivamente. O Centro-Oeste apareceu com o valor mais em conta, sendo o preço médio de uma refeição R$26,73.

Para Fernando Cosenza, diretor de Inovação da Sodexo Benefícios e Incentivos, os resultados não são uma novidade. “Este cenário reforça o impacto da utilização do benefício refeição nas finanças do trabalhador brasileiro. Com o aumento dos preços da refeição fora de casa, é fundamental fazer uma boa gestão do benefício na hora do almoço para que não seja necessário desembolsar parte do salário no fim do mês com essa finalidade.”

+ Quanto custa a comida que as companhias aéreas servem nos aviões?