Brasil Econômico

undefined
Marcos Santos/USP Imagens
Maior queda real nos 12 meses encerrados em outubro foi a dos gastos com combustíveis e lubrificantes

Os gastos do governo federal com despesas administrativas registraram uma redução de 4,95% nos 12 meses terminados em outubro, já descontada a inflação. A redução, em valores reais, chega a R$ 1,838 bilhão. As informações foram divulgadas nesta terça-feira (29) pelo Ministério do Planejamento.

+ Temer sanciona lei que desobriga Petrobras a participar de exploração do pré-sal

No acumulado entre janeiro e outubro, o Poder Executivo cortou os gastos administrativos do governo federal em 3,15%, na comparação com o mesmo período do ano passado, também descontada a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A queda chega a R$ 688 milhões em relação a 2015, considerando a inflação.

De acordo com o Ministério do Planejamento, a maior queda real nos 12 meses encerrados em outubro foi a dos gastos com combustíveis e lubrificantes. Esta despesa foi reduzida em 30,9% em termos reais. Em segundo lugar, ficaram as despesas com serviços de telecomunicações, que caíram 28,1% na mesma comparação.

+ Justiça impede fechamento de 13 agências do Banco do Brasil no Maranhão

Na terceira posição ficam os gastos com passagens aéreas e locomoção, que tiveram queda real de 25,5% em 12 meses. Segundo o Planejamento, essa despesa cai há 23 meses consecutivos após a adoção da compra direta de passagens por órgãos públicos, sem a intermediação de agências de turismo. Em quarto lugar, estão os gastos com locação de veículos, com retração real de 17,4%.

Divulgado a cada três meses pelo Ministério do Planejamento, o Boletim de Custeio Administrativo traz atualizações mensais das informações sobre as despesas agrupadas em oito itens: serviços de apoio, material de consumo, comunicação e processamento de dados, locação e conservação de bens imóveis, energia elétrica e água, locação e conservação de bens móveis, diárias e passagens e outros serviços.

Desses itens, apenas energia elétrica e outros serviços – que engloba serviços bancários e de consultorias – cresceram acima da inflação nos 12 meses terminados em outubro.

+ Recebeu o 13 º? Educadora dá dicas de como gastar o dinheiro com consciência

Redução no IPVA

Além da redução nos gastos do governo federal, a secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo também informou nesta terça-feira (29) que o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA 2017) será 4,8% mais barato no próximo ano. A queda é nominal e influenciada pela redução nos preços dos automóveis vendidos no varejo automotivo, segundo dados da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

*Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários