Brasil Econômico

undefined
Agência Brasil
Atualmente, existem 38 entidades credenciadas pelo BNDES em todo o Brasil

As  operações de microcrédito produtivo oferecidas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao valor de R$ 1 bilhão em financiamento para o microempreendedor e microempreendedor individual no mês de outubro. As informações foram divulgadas pela instituição nesta segunda-feira (21).

+  81% dos brasileiros devem usar 13º salário para o pagamento de dívidas

Desde o início do programa do BNDES , em 2005, foi contabilizado um total de 1,3 milhão de operações, com valor de até R$ 20 mil, a juros de até 4% ao mês, para o financiamento de capital de giro e investimentos produtivos de atividades de pequeno porte, como obras e compra de máquinas, equipamentos, insumos e materiais.

De acordo com o banco, 60% dos beneficiados são mulheres e 80% dos empréstimos são utilizados como capital de giro. As pessoas das áreas de comércio e serviços recebem algo em torno de 70%.

Daniela Arantes, chefe do Departamento de Inclusão Produtiva do banco, afirmou que o trabalho na ponta é realizado por agentes operadores habilitados pelo banco como instituições do Microcrédito Produtivo Orientado, que oferecem uma avaliação mais facilitada para a concessão do crédito do que as instituições financeiras tradicionais.

+ Com promessa de "reforma dura", governo deve lançar PEC da Previdência neste ano

“É microcrédito mesmo, valores bem pequenos. São pessoas que só conseguem alguma fonte de recurso via microcrédito. É facilitado, a análise é dos agentes repassadores. Em alguns casos, os microempreendedores nem têm conhecimento de que o recurso é do BNDES, eles acham que o recurso vem da entidade repassadora, mas a análise é muito mais flexível do que uma análise bancária tradicional”, disse Daniela.

Atualmente, existem 38 entidades credenciadas pela entidade em todo o Brasil, entre agências de fomento, bancos comerciais, cooperativas centrais de crédito, cooperativas singulares de crédito, bancos cooperativos, organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscips) e sociedades de Crédito ao Microempreendedor (SCMs).

Paulo Roberto Monteiro, gerente do mesmo departamento, disse que os agentes operadores também ajudam os tomadores do empréstimo a fazer o melhor uso do recurso. “O microcrédito produtivo orientado usa uma metodologia chamada de finança de proximidade. A instituição repassadora tem o agente de crédito que vai até o local de trabalho do microempreendedor e ali faz o trabalho de prospecção dos clientes e também uma orientação na utilização do recurso. E posteriormente ele faz um acompanhamento mês a mês para ver como está indo a evolução desse microempreendedor.”

+ Presidente da Caixa Econômica nega fechamento de agências pelo País

A  projeção do BNDES é que, com um efeito multiplicador, o benefício do microcrédito tenha chegado a R$ 4,5 bilhões nas mãos de microempreendedores. As operações têm valor médio de R$ 2,5 mil, enquanto a taxa de inadimplência é inferior a 5%. Para ter acesso, a microempresa ou pessoa física empreendedora deve ter faturamento de até R$ 360 mil.

*Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários