Tamanho do texto

Marca será atingida com atraso em relação ao ano passado, quando fora arrecadado no dia 19 de outubro. Veja detalhes, segundo a ACSP

Até esta sexta-feira (21), o Impostômetro em São Paulo registrava a marca de R$ 59,4 bilhões.
Divulgação
Até esta sexta-feira (21), o Impostômetro em São Paulo registrava a marca de R$ 59,4 bilhões.

O Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) vai registrar a marca de R$ 1,6 trilhão, às 8 horas de segunda-feira (24). O valor representa o total de impostos, taxas e contribuições pagos pela população brasileira desde o começo deste ano de 2016.

+ Prévia da inflação tem menor taxa para outubro desde 2009

O número no Impostômetro será atingido com atraso em relação ao ano passado, quando fora arrecadado no dia 19 de outubro. “Esse atraso de cinco dias em relação ao ano passado é consequência do ritmo mais fraco da economia. Mesmo assim, o peso da tributação para as empresas e para os consumidores continua o mesmo”, explica o presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Alencar Burti.

No portal do Impostômetro , é possível visualizar os valores arrecadados em cada Estado do Brasil e, também, em cada município. Além disso, o site disponibiliza a arrecadação por categoria, como produção, circulação, renda e propriedade. 

O Impostômetro foi implantado em 2005 pela ACSP para conscientizar o cidadão sobre a alta carga tributária e incentivá-lo a cobrar os governos por serviços públicos de qualidade. Está localizado na sede da ACSP, na Rua Boa Vista, centro da capital paulista. Outros municípios se espelharam na iniciativa e instalaram painéis, como Florianópolis, Guarulhos, Manaus, Rio de Janeiro e Brasília.

+ Vendas do Tesouro Direto somam R$ 1,4 bilhão em setembro

Até esta sexta-feira (21), o Impostômetro em São Paulo registrava a marca de R$ 59,4 bilhões. O número é importante, já que representa nada menos do que 37,48% do total da arrecadação do Brasil. Os contribuintes de São Paulo também são cerca de 20% dos habitantes do País, quase 30% das empresas presentes em todo o território nacional, e pouco mais de 25% das MEIs brasileiras.

Arrecadação por categoria

Em relação às categorias que contribuem para a arrecadação, sobre produção e circulação, o ICMS é a maior porcentagem, seguido pelo ISS, IPI e IOS. Já em relação à renda e propriedade, o Imposto de Renda (IR) está na frente dos números, depois vem o IPVA e o IPTU, seguidos por ITCMD, ITBI e ITR.

+ Produção industrial volta a cair em setembro, com quase um terço de ociosidade

Outros responsáveis para a arrecadação contabilizada no Impostômetro são: Previdência, Taxas, CIDE, COFINS, CSLL. No site, também encontramos o IE – Federal e o II – Federal.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.