Tamanho do texto

Bloco econômico formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul afirmou no G20 que há perspectiva e força motriz para crescimento

Líderes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, países que integram o Brics, reúnem-se antes da Cúpula do G20
Beto Barata/PR 04.09.2016
Líderes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, países que integram o Brics, reúnem-se antes da Cúpula do G20

Em comunicado conjunto divulgado neste domingo (4), países do Brics – bloco econômico formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – anunciaram que vão reforçar sua cooperação e apelaram à comunidade internacional a lutar contra os desafios globais.

+ Em quatro pontos: o que está em jogo para Temer na cúpula do G20

Ao final de encontro informal realizado no âmbito da Cúpula do G20 – grupo das 20 maiores economias do planeta –, líderes do bloco concordaram que, apesar de a economia mundial e a de seus países enfrentarem novos desafios, há perspectiva e força motriz para o crescimento.

“Os líderes dos Brics sublinharam que os países do grupo devem, com base nos princípios de transparência, solidariedade, igualdade, compreensão, tolerância e cooperação, continuar a fortalecer a parceria estratégica entre os membros do bloco”, afirma o texto.

+ Temer diz que buscará restabelecer a confiança para atrair investimentos

Após a reunião em Hangzhou, na China, o Brics confirmou o compromisso de fortalecer o diálogo e a cooperação com outras nações em desenvolvimento e outros mercados. O grupo observou ainda que a recuperação da economia global continua desigual e que é preciso que o G20 reforce a coordenação da política macroeconômica.

Os líderes do bloco também pediram a países-membros da Organização Mundial do Comércio (OMC) que contribuam para a adoção de um acordo sobre a promoção do comércio internacional.

+ Dois dias após impeachment, Senado aprova lei que permite pedaladas fiscais

Ainda por meio do comunicado conjunto, o Brics condenou fortemente atos terroristas praticados em todo o mundo e apelaram à Organização das Nações Unidas (ONU) e à comunidade internacional para que desempenhem papel fundamental na luta contra o terrorismo.