Tamanho do texto

A falta de autoconsciência e a de jeito em lidar com equipes são fatores de detrimento na carreira de diversos profissionais; veja perfis perigosos

Brasil Econômico

via GIPHY

Experiência e conhecimento estão rapidamente perdendo sua relevância quando o assunto é sucesso no mercado de trabalho. O economista da Universidade de Harvard, David Deming, estudou as carreiras  e tarefas do mercado de trabalho desde a década de 1980 até os dias de hoje. Segundo seus estudos, as habilidades ligadas à empatia social apresentaram crescimento de 24% nos requerimentos dos recrutadores, enquanto as tarefas que exigiam conhecimento técnico – como inteligência e experiência – cresceram bem menos.

Deming também descobriu que o aumento de salário aconteceu mais vezes nos empregos que exige mais empatia e socialização dos funcionários  do que naqueles que não. Dessa maneira, com o crescimento da importância de habilidades - tais como saber trabalhar em equipe e ter empatia, por exemplo -, os profissionais que não buscam desenvolvê-las são facilmente reconhecidos... Tipo uma zebra no meio de vários cavalos. E, claro, a consequência é óbvia: a pessoa vai perdendo oportunidades de crescer na carreira e ter sucesso na vida profissional.

Provavelmente, você trabalha ou já trabalhou com os tipos mais óbvios dos profissionais nada bem sucedidos: aquele que não para de falar, mesmo quando você está tentando seguir um deadline; aquele que rouba suas ideias na cara de pau; ou aquele que não te ajuda em uma tarefa e deixa você bater com a cara na parede, trabalhando durante dias e noites no projeto. Enfim, são muitos os tipos nada bacanas, profissionais que estão por aí, dando vários tiros no próprio pé.

Infelizmente, a falta de autoconsciência e o desconhecimento em lidar com equipes são fatores de detrimento na carreira de diversos profissionais. Hoje, conforme vimos, a chamada Inteligência Emocional, que é a reunião de habilidades importantíssimas, é a característica mais buscada pelos recrutadores. E será cada vez mais. Até porque, segundo uma pesquisa da TalentSmart, a inteligência emocional é responsável por 58% das performances profissionais. Por isso, as pessoas que não desenvolvem tais qualidades acabam se dando mal na carreira.

Pensando na importância de trabalhar as habilidades mais buscadas no mercado de trabalho hoje, o site Entrepreneur reuniu 9 tipos de profissionais que não terão sucesso na carreira. Fique de olho e, caso se encaixe em algum desses perfis, é melhor correr atrás da mudança (que é sempre possível) e ser um profissional reconhecido!

1.  O covarde

via GIPHY

O medo é um motivador poderoso! É por isso que os candidatos à presidência dizem às pessoas que seu oponente vai “destruir a economia”, por exemplo. É também, pelo medo, que as publicidades de cigarro trazem avisos de que “fumar mata”.

No ambiente de trabalho, muitas pessoas, para lidar com este sentimento, acabam agindo de maneira prejudicial (a si e aos outros) e irracional. Ou seja, de forma covarde. 

A covardia entre colegas de trabalho pode ser vista, por exemplo, quando alguém culpa outro por um mal resultado ou quando uma pessoa esconde um erro grande. Outro exemplo típico? Aqueles profissionais que falham em defender aquilo que é correto, se acovardando diante das dificuldades.

2.  O Dementrador

via GIPHY

Na série Harry Potter, de J.K. Rowling, os Dementradores são criaturas do mal que sugam a alma das pessoas para fora de seu corpo, deixando-as sem vida, com apenas a "carcaça".  No universo de Harry, assim que um dementrador entra no ambiente, tudo escurece e fica gelado, e as pessoas começam a pensar em seus maiores medos e relembrar momentos ruins.

A autora britânica disse que desenvolveu este conceito para as criaturas diabólicas, baseando-se em pessoas altamente negativas; aquele tipo que tem uma grande habilidade de entrar em uma roda e, instantaneamente, sugar a vivacidade que havia ali.

O tipo de profissional dementrador também é assim: entra e suga a vida, o otimismo dos colegas... Essa pessoa impõe sua negatividade e seu pessimismo sobre todos que trabalham com ela, sempre enxergando o copo meio vazio. Esse tipo de gente tem sucesso apenas na "arte" de injetar o medo em todos, mesmo nas situações mais favoráveis. 

3. O arrogante

Esse tipo de profissional perde muito, muito tempo porque ele enxerga tudo como um problema pessoal. Um desafio, uma competição. A arrogância é uma falsa confiança, e sempre mascara pessoas inseguras.

Segundo um estudo feito na Universidade de Akron, esse sentimento é correlacionado com uma série de problemas no ambiente de trabalho. Os profissionais arrogantes tendem a ter um desempenho mais baixo, sendo desagradáveis e cheios de problemas cognitivos – mais do que a média. 

4.  O "pensador do grupo"

via GIPHY

Sabe aquela pessoa que sempre diz: “isso é o que nós fazemos”, “nós sempre fizemos dessa maneira”? O tipo de pessoa que sempre quer seguir o caminho mais curto, que propaga ideias de maneira a fazer uma lavagem cerebral, colocando na cabeça de todos que “isso é o que todo mundo acredita”. Ele sempre fala em coletivo, mas pode ser que esteja apenas falando por si próprio. Pense nisso! O "pensador dp grupo" está apenas fazendo com que seu status-quo se mantenha (ou cresça). Tome cuidado. 

5.  O temperamental

via GIPHY

Algumas pessoas, simplesmente, não tem controle sob suas emoções. E o profissional temperamental vai, mais cedo ou mais tarde, descontar sua raiva em você. Em algum momento mais difícil, ele irá jogar todo seu sentimentalismo pra cima de você, da equipe, já que essa pessoa realmente pensa que o outro é o único responsável pelo seu mal-estar.

A falta de sucesso do temperamental acontece porque tem um desempenho pobre, causado, por sua vez, por uma nuvem de emoções negativas, julgamentos. Enfim, a falta de autocontrole destrói suas relações dentro e fora do trabalho. 

Quer uma dica? Fique longe de profissionais assim; quando as adversidades vêm, e elas virão, esse colega não perderá um minuto para transformá-lo em bode expiatório. 

6.  A vítima

Esse tipo é muito fácil de perceber. A vítima causa, inicialmente, uma sensação de empatia nas pessoas, já que todos nos identificamos com seus problemas. Mas, com o passar do tempo, você acaba percebendo que as coisas não são bem assim, que ela sempre precisa “de todo o tempo e atenção do mundo”.

LEIA MAISComo ter sucesso na carreira? Veja o que fazer para os negócios prosperarem

Veja se reconhece "a vítima" no seu ambiente de trabalho: ela foge de toda e qualquer responsabilidade, faz com que uma pequena tarefa se torne um monstro gigantesco e muito difícil. E, bem, são mal sucedidos já que não enxergam as oportunidades para aprender, crescer e evoluir na carreira e na vida. Ao invés disso, veem tudo como um carma, um problema que “só elas que têm”.  

7.  O ingênuo

Não tem outra coisa a se dizer sobre o tipo ingênuo além de “sinto muito”. Esse profissional, geralmente iniciante, pode ser visto na empresa fazendo horas extras intermináveis, ficando de babá na segunda-feira pela manhã dos filhos do chefe, fazendo plantão no domingo, enquanto todo mundo descansa.

Qualquer que seja o motivo, o profissional ingênuo vai dizer "sim". Mas, não se engane: esse rio gentil poderá se tornar um mar turbulento.

Se você é ou conhece alguém assim, se convença ou o mostre a essa pessoa que é ok pedir por um aumento no salário, é ok dizer não e é ok questionar algumas maneiras com que as coisas vêm sendo feitas.

Qualquer profissional que se coloque de maneira mais firme no trabalho terá mais respeito pelos colegas. Ser ingênuo é digno de dó, afinal. 

8. O pedinte de desculpas

via GIPHY

Para cada pessoa no mundo que não sabe pedir desculpas, há outra que pede desculpas demais. E os profissionais que não têm confiança estão sempre se desculpando – até mesmo pelas ideias e ações que têm. Eles sentem medo de falhar e acreditam que, ao pedir perdão, estarão agindo de maneira mais segura, construindo uma rede de proteção. Contudo, o que acontece de verdade é que as desculpas desnecessárias diminuem suas ideias e tornam-nas menos propensas de serem aceitas.

Se você quer ter mais sucesso na carreira, é muito importante que seu tom de voz e a postura corporal também reflitam a importância de suas ideias, a firmeza de sua personalidade (só tome cuidado para não se tornar O arrogante). Aprenda a defender suas opiniões e saiba pedir desculpa apenas quando for necessário. 

9. Tudo junto e misturado

Se apenas um desses perfis já pode revelar um mau caminho na busca pelo sucesso da carreira, imagina tudo junto? É uma sentença de morte! Mas, se você se identificou de certa maneira, fique calmo. Nada é irremediável, tudo pode ser transformado. Você só não conseguirá ser bem sucedido se for orgulhoso demais para mudar. Afinal, ainda é tempo de correr atrás do prejuízo, buscar ajuda, enfim, criar sua autocrítica e autoconhecimento aos poucos. O que importa é sua vontade de mudar.