Tamanho do texto

Preços tiveram redução de 1,63%, beneficiados pela redução de chuvas e geadas; setor de frutas foi o único que apresentou elevação no período

Brasil Econômico

De acordo com a Ceagesp, queda no segmento dos legumes foi de 4,69%
iStock
De acordo com a Ceagesp, queda no segmento dos legumes foi de 4,69%

Os alimentos ficaram 1,63% mais baratos no mês de julho, de acordo com o índice de preços feito pela Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp). O excesso de chuvas e geadas que vinha acontecendo foi reduzido e permitiu a baixa nos valores de muitos legumes e verguras. O setor de frutas foi o único que não apresentou redução.

LEIA: Fazenda diz que portaria aperfeiçoa procedimento para recolher recursos do FGTS

Nas regiões Sul e Sudeste, a chuvas praticamente cessaram, enquanto o frio teve maior incidência apenas no começo de junho, assim não influenciando negativamente a produção do mês seguinte e garantindo uma redução no índice de preços da Ceagesp . No caso de culturas mais rápidas, como as folhosas, a qualidade já foi plenamente restabelecida, enquanto as mais longas, como batata, cebola e tomate apresentam excelente recuperação. A diminuição no consumo também influenciou a baixa nos preços de grande parte das hortaliças.

Frutas

Único setor a apresentar elevação no período, as frutas tiveram aumento de 3,01%.  Caju (42,4%), limão taiti (40,4%), atemoia (27%), banana prata (22,8%) e banana nanica (18,6%) registraram os maiores aumentos nos preços. Apesar disso, alguns itens registraram queda, como foi o caso da manga tommy (-39,6%), manga palmer (-28 7%), mamão papaia (-25,95), mamão formosa (-18,8%) e carambola (-19,3%).

Legumes

A queda no segmento dos legumes foi de 4,69%. As maior redução aconteceu com o quiabo, que teve queda de 39% no preço. Abobrinha italiana (-36,4%), ervilha torta (-23,85), abobrinha brasileira (-19,3%) e tomate (16,9%) foram os outros itens com quedas mais significativas. Também houve aumento de valores em alguns itens, com o pimentão verde (35,9%), pimentão amarelo (33%) pimentão vermelho (29,8%), inhame (26,6%) e pepino caipira (14,6%).

Verduras

Houve recuo de 10,21% no segmento das verduras, tendo no couve a maior queda de preços (-42,7%). Além disso, coentro (-37,5%), brócolis (-33,7%), rúcula (-27 2%) e espinafre (-26,4%) também tiveram quedas consideráveis. As maiores elevações de preço foram da hortelã (27,8%), almeirão PA (16,5%), moyashi (14,6%) e repolho (10,3%).

Diversos

No setor dos diversos, houve uma retração de 10,82%. O item que puxa a lista com a maior redução foi a cebola nacional (-36,2%), seguida pela batata lisa (-28,9), pela batata comum (-20%) e pelo alho (-9,9%). O amendoim (12 1%) e o coco seco (10,7%) registraram as maiores altas. 

Pescados

Entre os pescados, que registraram baixa de 7,58%, a maior queda foi a da abrotea, que caiu em 28,5%. Pescada (-28,7%), corvina (-27 4%), anchovas (-20,8%) e tainha (-17,5%) vêm na sequência. Por outro lado, espada (20%), sardinha (16,2%), lula (14,8%) e cavalinha (12,4%) tiveram as maiores altas.

LEIA TAMBÉM:  "Queda da inflação vai afetar o humor das pessoas", diz Goldfajn

O volume total comercializado no entreposto de São Paulo, de acordo com a Ceagesp, teve redução de 12,39% no mês de julho. Analisando o acumulado do ano, a queda registrada foi de 6,26%. 

*Com informações da Agência Estado