Tamanho do texto

Na passagem de maio para junho, 18 das 24 atividades industriais tiveram alta na produção, com destaque para o setor de veículos automotores (8,4%)

Segundo dados da Pesquisa Industrial Mensal, a produção teve queda de 6% na comparação com junho do ano passado
Arquivo/Agência Brasil
Segundo dados da Pesquisa Industrial Mensal, a produção teve queda de 6% na comparação com junho do ano passado

A produção industrial cresceu 1,1% na passagem de maio para junho, de acordo com dados da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF), divulgados nesta terça-feira (2) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Embora  esta seja a quarta alta consecutiva do indicador nesse tipo de comparação, a produção recuou 6% antes o mesmo mês de 2015, marcando a 28ª taxa negativa consecutiva nessa comparação. A indústria também acumula quedas de 9,1% em 2016 e de 9,8% em 12 meses.

LEIA MAIS: Com vendas em queda, montadoras tentam rever benefícios de empregados

Na passagem de maio para junho, entre as quatro grandes categorias econômicas que tiveram crescimento destaca-se a de bens de capital, isto é, as máquinas e equipamentos, que registrou crescimento de 2,1%. As outras três categorias que cresceram foram as de bens de consumo semi e não duráveis (1,2%), bens de consumo duráveis (1,1%) e bens intermediários, isto é, os insumos industrializados para o setor produtivo (0,5%).

LEIA MAIS: MEI: as 5 dúvidas mais comuns dos Microempreendedores Individuais

Ainda nesse tipo de comparação, 18 das 24 atividades industriais tiveram alta na produção. Os principais destaques vieram dos veículos automotores (8,4%), de perfumaria, produtos de limpeza e de higiene pessoal (4,7%), metalurgia (4,7%), confecção de artigos do vestuário (9,8%), artefatos de couro e calçados (10,8%), produtos farmacêuticos (4,4%) e produtos de borracha e de material plástico (2,4%).

Por outro lado, seis atividades industriais tiveram queda na produção na passagem de maio para junho, com destaques para produtos alimentícios (-0,7%), bebidas (-2,6%), produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-0,6%) e produtos de papel (-2%).

* Com informações da Agência Brasil